Espanhol David Rios venceu competição em 2013 e esteve no Brasil para acompanhar a etapa nacional. Ao iG, ele diz como se tornou o "melhor do mundo", como criar um coquetel do zero e 10 coisas que você deve ter no bar de casa

David Rios, eleito o melhor bartender do
Brunno Kono/iG São Paulo
David Rios, eleito o melhor bartender do "World Class Bartender of The Year" de 2013

Em julho de 2014, Londres conhecerá em primeira mão quem é o melhor bartender do mundo. Mas, até lá, o título pertence ao espanhol David Rios, de 38 anos e natural de Bilbao, no norte do país. Para chegar até aqui, Rios superou diversos competidores para conquistar o "World Class Bartender of The Year", e ele diz que foi no Rio de Janeiro onde aprendeu o necessário para ser o que é hoje.

"A oportunidade de estar no Rio foi importante em muitos aspectos porque pude ver diferentes técnicas, formas de apresentar coquetéis. Aprendi vendo os melhores do mundo, isso me ajudou a me preparar para as provas", diz David, que esteve no Brasil em 2012 para acompanhar a final do mundial, na capital fluminense. De fora das finais em seu primeiro ano de competição, o espanhol retornou no ano seguinte, mais experiente, e levantou o caneco.

O COMEÇO

Antes de ser cultuado como bartender referência em bares de Bilbao e, na última semana, de São Paulo, Rios lembra que começou "servindo cerveja", quando tinha entre 19 e 20 anos. "Comecei trabalhando aos finais de semana em eventos para muita gente. Em uma festa, vi que um bartender fazia a coquetelaria, algo diferente do que eu fazia, que era simples. Comecei a estudar, praticar, trabalhar com hotelaria, maître, sommelier. Me desenvolvi, peguei amor pela profissão."

NÍVEL DOS BRASILEIROS

Ao contrário da viagem 2012, David Rios não veio ao Brasil para observar, mas para ser observado e passar alguns conselhos aos participantes da etapa brasileira do mundial. "Foi muito instrutivo. Vi dez bartenders em um nível muito alto, quatro deles em nível 'World Class' e que podem perfeitamente representar o Brasil, estão preparados para ser campeão", analisa o espanhol.

Só não pense que os 27 candidatos ao título – dez estão na final, que acontece em maio – foram os únicos que puderam ouvir dicas do melhor bartender do mundo. Ao iG , ele citou dez coisas que não pode faltar em seu bar de casa, como se aventurar na criação de um coquetel e o que as mulheres tendem a gostar mais. Veja abaixo:

COMO CRIAR UM COQUETEL

"Primeiro é preciso pensar na história, no que você quer transmitir. Depois, para o que é. É para servir em um bar? É para um campeonato? É focado em algo como o mar, a montanha? Sempre penso o coquetel como se fosse um prato de cozinha. Você tem um pescado ou uma carne, que é a base, e as guarnições ao seu redor. Nossa base aqui é um destilado, e a partir disso começa a trabalhar a coquetelaria, o que combina com esse destilado."

Mas é muito difícil? "Não é complicado. Uma dica é começar pelo básico e trabalhar com coquetéis mais doces porque é mais fácil de acertar, de equilibrar. Com um coquetel amargo e muito alcoólico é mais difícil fazer isso. Trabalhe com uma base de xarope de açúcar e algo cítrico como o limão. Não há mistério, é começar aprendendo e misturando, abrir as frutas e provar. O próprio brasileiro começou a evoluir isso, antes a caipirinha era só de limão, agora tem de várias frutas".

MULHERES E COQUETEL FAVORITO

Sobre o que as mulheres gostam mais, ele diz que há uma tendência que puxa para os drinques mais adocicados, enquanto o homem gosta dos coquetéis mais secos. Questionado se tem uma bebida favorita, Rios responde que tem "quatro ou cinco" em mente, mas acaba citando o "Aroma", junção dos nomes dos filhos gêmeos, Aroa e Markel, e que leva rum, licor de café, xarope de amêndoas, creme de coco, uma folha de hortelã e grãos de café.

Aprenda a fazer o "Aroma", drinque criado por David Rios (áudio em inglês):

* Bebidas alcoólicas são proibidas para menores de 18 anos. Se beber, não dirija.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.