Campeão mundial de surfe e seu técnico dão dicas para quem quer começar a surfar; eles apontam a perseverança como a primeira qualidade que os iniciantes precisam ter

É difícil não ficar com inveja dos surfistas profissionais. Eles passam o dia na praia, ficam em contato direto com o mar e ainda conseguem ficar com um físico legal - evitando ter de passar horas marombando na academia. Sem falar no fato de que eles costumam roubar toda atenção das mulheres quando chegam à praia. Além de todos esses atrativos, o esporte é um dos mais indicados para quem deseja alcançar a boa forma junto a natureza. Porém, o caminho para mandar bem em cima de uma prancha não é fácil.

No caso do mais novo ídolo do esporte nacional e atual campeão mundial de surfe, Gabriel Medina, de 21 anos, essa é uma história longa, que começou aos nove anos de idade. "Tem uma molecada gigante, não só no Brasil, como no mundo todo, que olha para nós, surfistas, e tem a gente como exemplo. Então eu sempre tento passar o meu melhor", disse Medina em entrevista concedida em evento em São Paulo, na última quarta-feira (29).

Veja imagens da carreira do surfista campeão Gabriel Medina: 


A rotina de treinos do campeão varia de acordo com cada etapa do Torneio Mundial de Surfe, mas para conseguir se manter em forma, ele diz treinar fora da água pelo menos uma hora e meia durante a manhã, combinando exercícios de alongamento e pilates. Em seguida, ele treina mais uma hora e meia no mar. E essa bateria é repetida no período da tarde.

É claro que você, iniciante, não precisa ter uma rotina tão pesada se a sua intenção não é ser um surfista profissional, mas é bom se preparar para as dificuldades. Para Medina, a perseverança é um dos requisitos básicos para praticar o surfe.

Gabriel Medina:
AgNews
Gabriel Medina: "Os primeiros passos não são fáceis, tem que se esforçar"


"Os primeiros passos não são fáceis. Tudo tem um processo. Você chega lá na praia, tem que aprender a remar, a subir na prancha, a se equilibrar. Não é simples, mas tudo começa no querer. Tem que se esforçar", comenta.

Para Charles Saldanha, padrasto e treinador do atleta, tudo começa com a paixão pela água. "Não vai ser fácil. Você vai pegar um dia frio, você vai entrar no mar em um dia que tem correnteza, em um dia em que vai apanhar das ondas, porque as ondas são fortes. Ou seja, você vai passar por diversas dificuldades, e se realmente não amar aquilo de paixão você vai desistir", alerta.

Charles lembra, no entanto, que pelo esporte ser essencialmente ligado à natureza, é muito fácil se apaixonar logo nas primeiras tentativas de ficar em pé em uma prancha. Diferentemente do que acontece nas academias, ficar ao ar livre e cercado pelo mar colabora para que o esforço físico fique em segundo plano durante a prática do surfe.

SAIBA SEUS LIMITES 

Ainda que você opte por contratar um professor de surfe para aprender o básico do esporte, no momento em que você entra na água é preciso tomar alguns cuidados básicos para não se machucar. Saldanha lembra que na prancha só cabe uma pessoa, ou seja, mesmo com um profissional do lado, você estará sozinho.

Charles Saldanha, padrasto e treinador de Gabriel Medina
AgNews
Charles Saldanha, padrasto e treinador de Gabriel Medina

"Um conselho que eu dou é que a pessoa tem que pegar a prancha e cair no mar mesmo, mas nunca querer ser o super herói. Ela tem que saber o seu limite", observa o treinador. "Se você vê que a onda está muito forte, se chegou ao ponto de quase se afogar ou sentiu que tem muita corrente, não é desmérito nenhum e não vai tirar a honra de ninguém ficar um pouco mais no raso ou nem entrar no mar."

A dica do Saldanha é não desanimar e não achar que o surfe é um esporte apenas para quem está sempre na praia. Mesmo que você só consiga praticar uma vez por mês, o que conta é realizar o seu sonho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.