Projeto de norte-irlandês começou como uma aposta entre amigos, mas logo virou algo mais sério. Além de usar seu tempo livre para levantar mais de R$ 100 mil para caridade, ele afirma que o comportamento compulsivo de "mulherengo" era reflexo de traumas da infância

Peter Lynagh
Divulgação
Peter Lynagh

O ano de 2013 foi marcante na vida de Peter Lynagh . Antes dele, este norte-irlandês de 34 anos se definia como um "mulherengo" e "jogador". Hoje, ele se diz um "cara normal". E o que aconteceu nestes 365 dias que mudaram a vida do empresário? Talvez seja mais fácil dizer o que não aconteceu: sexo.

Em um artigo para o site australiano News Online , Lynagh conta que, até o final de 2012, procurou evitar se envolver em um relacionamento sério porque sempre havia "mais mulheres no horizonte" (foram 20 parceiras sexuais naquele ano), até que ele se cansou dessa vida e, em um tom de brincadeira e falando sério, falou ao amigo Marty que ficaria um ano sem sexo. Marty não só não comprou a ideia, como apostou US$ 2 mil no fracasso dela.

Peter topou a aposta e, inspirado em um livro do norte-americano Napoleon Hill, doou o dinheiro para caridade – ele já contribuía com a " Free to Shine " – e, ao mesmo tempo, usar o tempo livre para levantar mais fundos. Nascia o projeto "Pete's Chastity for Charity", ou "Castidade de Pete por Caridade", embora ele quase tenha ido por água abaixo em menos de um mês.

"Quase perdi no Dia da Austrália (26 de janeiro, Pete atualmente mora em Melbourne), quando estava bêbado em um bar e flertando com uma garota. Ela pegou minha mão, disse que iríamos para a casa dela e começou a me tirar do bar, até que meus amigos interviram", lembra. Foi a primeira de duas recaídas. Na segunda, ele se viu obrigado a dar um fim à relação de dois meses – beijar era permitido – com outra mulher: "Frustrante para os dois".

"JORNADA INTERIOR"

Para Lynagh, o rompimento com Clare lhe mostrou que ele não sabia ficar sozinho, o que o fez procurar ajuda. Questionado se teria percebido isso sem o voto de castidade temporário, o empresário diz que não. "O celibato tirou minha atenção das mulheres e me mostrou todo o trabalho que precisava ser feito. Me forçar a ficar sozinho permitiu que eu tivesse alguma autorrealização e começar uma jornada interior. Não diria que havia algo errado comigo, mas foi o caso de identificar padrões de comportamento que não me serviam mais", diz ao iG .

Após terapias, o empresário afirma que traumas da juventude fizeram com que ele se fechasse emocionalmente. 

"Prefiro não falar sobre alguns acontecimentos, mas o principal foi quando meu melhor amigo cometeu suicídio. Nós estávamos bebendo o dia todo, e, naquela noite, ele se desentendeu com a namorada e nos deixou dizendo que ia se matar. Claro que não acreditei. Me culpei por pelo menos dez anos, e a partir dali, aos 18 anos, eu me odiava e não me achava digno."

ESTEREÓTIPO DO QUE É SER HOMEM

Muitos dirão – e comentários de Internet geralmente evidenciam isso – que a vida pré-2013 do norte-irlandês é a sonhada por todo homem: balada, mulheres e sexo. Na visão do próprio, os estereótipos masculinos "são perigosos". "Somos criados para ser fortes, machos e sem sentimentos. Eu aprendi que a verdadeira força vem da vulnerabilidade e sem ter que viver de acordo com essa falsa percepção de como devemos ser."

"Se você é obcecado por qualquer coisa na sua vida que não te ajuda (no meu caso era mulheres e sexo) você pode tentar ficar sem, seja lá o que for, e talvez descubra algo sobre si mesmo. Liberar essa energia lhe dá a oportunidade de redirecioná-la em outra coisa que seja útil. Montei duas empresas de produção de vídeos depois de apenas alguns meses que iniciei o projeto", completa. A energia para montar as produtoras também serviu para levantar US$ 50 mil (cerca de R$ 113 mil) para a entidade que Peter apoia, no Camboja.

FIM DO PROJETO

Com data e hora para terminar, o projeto de Lynagh se encerrou em 31 de dezembro de 2013, mas o empresário conta que a pressão dos amigos e familiares era tanta que ele mal conseguiu comemorar a virada do ano. No dia 2, em uma viagem para a praia, ele saiu com Laura, uma mulher que conheceu por meio do projeto. Na manhã seguinte, o voto de castidade, que expirara assim que 2014 chegou, terminou oficialmente. "A melhor coisa que aprendi é que você não atrai o que você quer, você atrai o que você é. Se você não está feliz com sua vida e com quem está nela, você tem um trabalho a ser feito", conclui Peter.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.