Em torno de 50% dos homens brasileiros convivem com alguma disfunção erétil, mas nem tudo é motivo para pânico

Estimativa é de que cerca de 50% dos homens convivam com algum nível de disfunção erétil
Thinkstock Photos
Estimativa é de que cerca de 50% dos homens convivam com algum nível de disfunção erétil

Quem nunca brochou que atire o comprimido de Viagra. A situação que o homem mais teme na cama é mais comum do que se imagina. Somente entre os brasileiros, a estimativa é de que cerca de 50% dos homens convivam com algum nível de disfunção erétil. Mas não é pra tanto, pois a famosa ‘brochada’ não significa necessariamente que você tem algum problema.

Antes de se desesperar por não ter conseguido transar com sua parceira e sair correndo para o hospital, é importante lembrar que a dificuldade de obter ou manter uma ereção na hora do ato sexual tem diversas causas, e você mesmo pode tentar identificá-las. Estas causas são dividas em dois grupos: as orgânicas e as psicológicas.

Mulheres em feira erótica respondem: 13 cm é o suficiente?

Entre as causas orgânicas, estão as doenças que dificultam o bombeamento do sangue arterial para o pênis, como doenças vasculares, distúrbios hormonais e neurológicos. “Também pode ser decorrente de alterações penianas e, em algumas situações, pode ser efeito colateral de certas medicações, como anti-hipertensivos e drogas neurológicas”, conta o urologista do HCor (Hospital do Coração), Dr. Antonio Lopes Neto.

VEJA 10 ALIMENTOS QUE AJUDAM A MANDAR BEM NA CAMA:


Já as causas psicológicas, que são as mais comuns, estão invariavelmente ligadas ao estresse emocional pelo qual o homem está passando no momento do ato sexual ou mesmo na sua vida como um todo. Ou seja, pode ser a timidez excessiva, a insegurança em relação ao próprio corpo, estresse no ambiente de trabalho, alguma dificuldade amorosa com a parceira, etc..

A própria preocupação excessiva com o desempenho na cama pode acarretar em uma brochada. Chamado de “ansiedade de performance”, esse nervosismo libera uma carga hormonal de adrenalina no sangue, que leva a perda da ereção.

“Quando você pega um corte de pacientes mais jovens, quase sempre o fator psicológico é a causa da disfunção erétil. Já em pacientes acima de 55 anos, os problemas orgânicos geralmente são mais influentes”, diferencia o urologista do Hospital Santa Paula, Dr. Alex Meller.

FALHA OU DISFUNÇÃO ERÉTIL?

Segundo Meller, o homem pode seguir três passo para tentar identificar se aquela brochada da última noite foi uma coisa pontual ou se pode indicar uma disfunção erétil.

A saúde do homem influencia na disfunção erétil
Getty Images
A saúde do homem influencia na disfunção erétil

1º – Faça uma auto avaliação de sua saúde: Se você leva uma vida saudável, não está com nenhuma doença, pratica esportes, mantém uma boa alimentação e está dentro do peso ideal, há uma grande possibilidade de que essa falha tenha sido causada por um fator psicológico.

“Você tem que elencar as doenças para justificar aquela falha. Por exemplo, se você é um homem de 60 anos que já teve um infarto, tem diabetes ou está acima do peso, pode se preocupar um pouco mais, pois pode ser o início de um quadro de disfunção erétil que irá se repetir”, diz Meller.

2º - Faça uma autoanálise psicológica: Pare para pensar nas circunstâncias em que o ato sexual ocorreu. Foi em um lugar público, com mais emoção, ou na privacidade da sua casa? Ela era uma parceira nova ou foi com alguém com quem você já está acostumado? O seu dia foi estressante ou calmo?

Você tem que analisar o momento para concluir se estava ou não estressado. Se sim, o ideal é tentar mudar essas circunstâncias na próxima vez em que tiver uma relação sexual, para testar se a sua falha foi realmente psicológica. Deste modo, se você brochou quando estava fazendo sexo dentro do carro, correndo o risco de alguém ver, que tal tentar em um lugar com mais privacidade da próxima vez?

3º - Analise suas ereções noturnas/matinais: Isso mesmo. Se o cara falhou ontem à noite, mas acordou hoje com ereção noturna, então é provável que a causa da falha tenha sido psicológica. Agora, se ele não acorda com o pênis ereto há alguns meses, ou até anos, talvez seja um sinal de que a falha tenha sido causada por um fator orgânico.

De qualquer maneira, não precisa correr para o médico ou encher a cabeça de neuras logo na primeira vez em que o pênis não corresponder aos seus desejos. Agora, se as falhas se tornarem recorrentes, o indicado é sempre que o homem procure a ajuda de um urologista para identificar o que tem causado isso.

TRATAMENTOS

Se o homem for diagnosticado com disfunção erétil por conta de fatores psicológicos, o indicado, de acordo com o urologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Dr. Luis Seabra Rios, é que ele faça um acompanhamento com um terapeuta sexual.

Também pode ser recomendado um medicamento ansiolítico e medicamentos específicos para promover a boa ereção, como o já citado Viagra e o Eleva. Se os medicamentos orais não surtirem efeito, o segundo passo do tratamento envolve medicamentos intravenosos, ou seja, injeções que o próprio paciente pode aplicar no pênis. E, se nada disso der certo, há ainda a alternativa de se colocar uma prótese peniana.

Por fim, o urologista reforça a afirmação de que brochar é sim uma coisa comum. “A gente fica se angustiando para procurar ajuda médica e, às vezes, a gente tem uma solução fácil. Não é incomum, é uma coisa comum, e tem tratamento”, conclui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.