Mau hálito, beijo sem língua, falta de ritmo. Veja o que evitar para não transformar em uma lembrança ruim dela o que poderia ter sido um momento romântico

Amanda: “Se o cara não se preocupa com o ritmo da mulher, é porque ele não está naquele beijo de corpo e alma”
Arquivo pessoal
Amanda: “Se o cara não se preocupa com o ritmo da mulher, é porque ele não está naquele beijo de corpo e alma”

O beijo é tão importante em nossa cultura que ganhou até um dia para ser celebrado – 13 de abril. Mas, e quando o encontro de lábios e línguas não é exatamente uma experiência agradável?

“Uma vez, eu estava em uma festa trocando olhares com um cara a noite toda, até que rolou um beijo. Só que ele quase me engoliu quando me beijou, parecia que queria me exorcizar”, lembra a designer Amanda Mancini.

“Além disso, ele quis ser muito performático, passava as mãos na minha cabeça, acabou com meu penteado. Fiquei atordoada, minhas amigas até perguntaram depois se eu estava bem”.

A corretora de seguros Muriel Brandão também tem sua cota de más recordações quando o assunto é beijo.

“Muitos anos atrás, em uma brincadeira de beijos entre amigos, acabei caindo com um cara que tinha a boca muito grande. Ele babou no meu rosto inteiro, até meu nariz ficou com saliva dele, para você ter uma ideia. Tive de ir lavar na sequência, estava morrendo de nojo. Fiquei uns dias sem conseguir falar com ele, de tão traumatizada”, conta.

Para quem pensa que só os beijos corriqueiros e espontâneos podem ser um verdadeiro desastre, a atriz Bruna Thedy, apresentadora do Pop Up (Play TV) e do programa de rádio Do Balacobaco, afirma que mesmo os coreografados beijos técnicos de novelas, filmes e peças de teatro podem ser bem ruins. Bruna já passou por poucas e boas em cena.

Bruna: mesmo um beijo cênico pode ser um desastre
Divulgação
Bruna: mesmo um beijo cênico pode ser um desastre

“Uma vez beijei um que estava fazendo peeling, então fiquei com pedacinhos de pele dele no meu queixo, foi horrível”, recorda.

“E também já contracenei com um ator que não conseguia beijar direito, ele não mexia a boca, eu de tinha que fazer tudo! Às vezes, até o diretor falava para ele beijar com vontade. Será que eu estava com bafo?”, diverte-se.

Amanda, Muriel e Bruna listaram dez atitudes que acabam com qualquer chance de que um beijo entre duas pessoas seja bom. Nesses casos, o ato que deveria marcar um momento de contato íntimo entre duas pessoas, se transforma em inesquecível por conta da má lembrança que deixa.

1. Mau hálito

Não tem o que discutir: se em uma conversa já é difícil suportar uma pessoa com bafo, imagine em um beijo! Se a vontade de beijar for grande demais, que tal dar uma pastilha de hortelã bem forte para disfarçar?

2. Saliva em excesso

O beijo vai indo bem e, de repente, escorre aquele filete de baba pelo canto da boca do outro. É impossível continuar no clima quando a maior vontade é a de pegar um lenço e se secar.

3. Sem língua

Nos Estados Unidos pode ser assim nos primeiros encontros, mas no Brasil um beijo sem língua, ou “beijo oco” não cola. “Daí não se sente nada! Não é beijo se ele não coloca a língua em ação”, diz Muriel.

4. Língua muito tensa

Passa uma impressão de invasão. Sem contar que a outra pessoa precisa fazer a maior força para movimentar a própria língua e fazer a língua do outro relaxar. “Quando a responsabilidade fica toda por conta de uma das partes, é difícil os dois aproveitarem o momento”, aponta Bruna.

5. Língua muito mole

É, a questão da língua é complicada mesmo... Outro mau uso é coloca-la na boca da outra pessoa, mas deixá-la ali, molenga, sem movimentação, sem procurar a língua que deve ser tocada. Passa uma sensação de pouco caso que ninguém aprecia.

6. Língua demais

Para encerrar o assunto língua: em um beijo, a troca deve ser com a outra língua, não com a boca inteira. Passar a língua pelo céu da boca e por todos os dentes dela é desagradável, ok?

Muriel:
Arquivo pessoal
Muriel: "Ele babou no meu rosto inteiro"

7. Falta de interesse no ritmo

O beijo é uma troca e, para dar certo, as duas partes envolvidas precisam procurar o encaixe no ritmo alheio. Às vezes demora um beijo, dois, três... Mas é importante demostrar interesse nisso. “Se o cara não se preocupa com o ritmo da mulher, é porque ele não está naquele beijo de corpo e alma. Não faz sentido estar ali”, diz Amanda.

8. Pescoço “engessado”

Não precisa ficar girando a cabeça de um lado para o outro, mas mexê-la um pouco e de vez em quando ajuda até a manter o ritmo da respiração durante o beijo. Nada de deixá-la parada na posição em que o beijo começou.

9. Choque de dentes

Às vezes, por uma movimentação atrapalhada, os dentes dos dois dão uma batidinha. Isso é normal. O problema é quando os dentes batem o tempo todo, porque pode ser um sinal de falta de interesse em acertar o ritmo (falamos disso no tópico 7 da lista). Se rolar mais que duas vezes, é legal parar, rir um pouquinho da situação e tentar encontrar a sintonia.

10. Afobação

Ir com muita sede ao pote não ajuda em quase nada na vida, e com o beijo não é diferente. A afobação pode trazer consigo alguns dos itens mencionados anteriormente, especialmente a saliva e o choque de dentes. Beijo bom é beijo carinhoso, porém com pegada e ritmo. Lembre-se: a pressa é inimiga da perfeição.

Leia mais no Deles

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.