Ao Deles, Nego Catra, que era bancário e largou tudo para entrar na pornografia, fala sobre a dificuldade de manter a ereção nas gravações, o respeito com atrizes, os truques dos filmes e como é o sexo atrás das câmeras

Atrás do banco onde Afonso Bispo dos Santos Júnior trabalhava, havia uma clínica para exames de rotina que era muito frequentada por atores pornô. Um dia, o então bancário, conheceu um deles, e, durante um papo, recebeu o convite que mudaria sua vida. Depois de alguns testes, tornou-se um ator pornô, adotando Nego Catra como nome artístico e participando de mais de 30 produções. Agora, ele foca em ser palestrante e conta ao Deles todos os prazeres e dificuldades de ser um astro de filmes eróticos.  

Leia também: Atriz pornô brasileira dá dicas de sexo para você surpreender a parceira

Nego Catra conta todos os detalhes de como é vida de um ator pornô, das dificuldade em manter a ereção aos prazeres
Arquivo pessoal
Nego Catra conta todos os detalhes de como é vida de um ator pornô, das dificuldade em manter a ereção aos prazeres


“Comecei no pornô com cerca de 23 anos. Entrei pelo dinheiro e para fazer algo que gosto: sexo. Muitos caras pensam: ‘Nossa, vou ‘comer’ várias 'minas’, mas não é assim. É um nu artístico. Não tem diferença de atuar em um filme pornô e em uma produção da Globo ou do SBT”, relata o ator pornô do “Sexy Hot”, que é chamado de Catra por ter a voz parecida com a do funkeiro de mesmo nome.

Testes e dificuldade de manter a ereção

Conforme explica o ator pornô, os testes costumam ser bem práticos. Segundo ele, basta protagonizar uma cena de sexo com uma garota, mas, mesmo ele sendo um fã declarado de sexo, o início da carreira não foi tão simples quanto o teste fez parecer.

“Não é fácil ficar de ‘pau’ duro! Não adianta só tomar o famoso remedinho, a cabeça precisa estar tranquila. Não me apeguei ao remédio, pois existem produtos naturais que podem ajudar a aumentar a circulação no pênis”, explica Catra, reforçando que o efeito do medicamento dura de 30 minutos a duas horas e que, para tomar, é necessário fazer acompanhamento médico.

A parte difícil começou durante um reality show realizado por uma famosa produtora de conteúdo erótico brasileira. Nele, o ator teria de transar ao vivo com duas loiras e acabou "brochando". “Isso foi muito bom, porque mostrei que é normal 'brochar'. Claro que a produtora não gostou disso pela questão financeira, mas não liguei muito”, revela.

Além de manter a ereção, ejacular é outra dificuldade que os atores enfrentam. Segundo o ator pornô, isso ocorre porque há a ideia de que, quanto mais esperma aparecer na cena, mais prazeroso foi o momento.

“Eu gozo bastante, mas sei que tem algumas coisas que o ator pode tomar para ajudar ele a ter mais esperma. Em algumas cenas, existem truques. A gravação é parada, ai colocam uma mistura perto do pênis e, depois, voltam a gravar para fingir que aquilo é a ejaculação do cara. Também acontece do diretor gozar no lugar do ator que não conseguiu 'chegar lá'”, explica.

Quanto ganha um ator pornô?

Catra revela que o cachê varia muito de produtora para produtora e acredita que deveria ter um sindicado para os atores
Arquivo pessoal
Catra revela que o cachê varia muito de produtora para produtora e acredita que deveria ter um sindicado para os atores


Segundo o ex-bancário, o preço que as produtoras pagam varia muito. “A maioria paga R$ 400 por cena, mas algumas podem chegar a apagar de R$ 600 a R$ 1 mil. O cachê final depende, porque, às vezes, é preciso dois dias de gravação”, esclarece.

Leia também: Prazer, inspiração ou uma rapidinha? Descubra seu perfil ao buscar filmes pornô

Em um filme heterossexual, a mulher ganha mais do que o homem e, mesmo deixando claro que isso é merecido, já que o foco realmente é a atriz, ele acredita que os atores deveriam ser mais valorizados pelas produtoras. “Na verdade, tinha de existir um sindicado para ajudar a todos, porque somos autônomos e queremos mais qualidade de vida. A mídia também podia divulgar mais”, expõe.

Catra reivindica seus direitos porque acredita que os filmes estão com mais classe e que “tem muito ator que realmente sabe atuar, não só fazer sexo”. Os filmes nacionais estão mais longos e também contam com enredos mais elaborados. “Eu me enquadro nesse perfil, curto muito teatro, stand-up e coisas do gênero, estava estudando atuação e aprendi muita coisa, realmente gosto muito de encenar e passar o tesão que sinto em cena”, comenta.

Por trás das câmeras

Nego Catra gosta de fazer uma amizade com as mulheres com quem ele contracena nos filmes
Arquivo pessoal
Nego Catra gosta de fazer uma amizade com as mulheres com quem ele contracena nos filmes

Antes de partir para o sexo em um filme, o ator afirma gostar de conversar e tentar fazer uma amizade com a atriz com quem vai contracenar.

“Troco uma ideia antes. Não vou tratar a menina como um lixo, tem de ter respeito, gosto de tratar bem. Às vezes, acontece de uns atores falarem mal de você para te queimar, e a atriz se recusa a grava com você. Já aconteceu comigo e perdi trabalhos por isso”, revela.  

Na frente às câmeras, Catra gosta de ser performático e fazer posições diferentes. “Faço tudo com prazer, mas, fora das câmeras, é mais gostoso, porque posso fazer o que eu quero, posso mudar de posição sem me preocupar com detalhes técnicos”, explica.

Segundo o ator, as cenas são divididas pelas partes do ato sexual que será mostrado no filme. “Funciona assim: você grava, por exemplo, uma cena de sexo oral, outra de sexo anal, outra com determinada posição, e assim por diante”, explica. O set de gravação é igual ao de televisão, a única diferença apontada pelo ator é a presença do sexo explícito.

Quando o assunto é fetiche, Catra conta que o dele é dar prazer para as mulheres, mas que também gosta de sexo oral, sexo a três, dominação e até de lamber os pés da parceira. A única coisa de que ele realmente não gosta é de receber beijo grego. Já em momentos de prazer individual, a excitação vem dos filmes pornô. “Eu gosto de me masturbar e gosto de assistir meus filmes. Inclusive, já me masturbei vendo meus vídeos”, revela.

Alvo de preconceito

Segundo Catra, essa profissão é, muitas vezes, confundida com prostituição, mas ele sempre busca mostrar para as pessoas que elas não são a mesma coisa. “As pessoa me julgam, acham que só falo de sexo, que passo a vida azarando as mulheres, mas não sou um tarado, sou um profissional que, quando sai de um set de gravação, tem uma vida normal. No pornô, eu aprendi a me valorizar mais, entendi que f***-se o que os outros pensam de você”, desabafa.

Esse preconceito faz com que ele receba muitas mensagens negativas nas redes sociais, mas Catra releva que, em vez de rebatê-los, ele prefere demonstrar que tem orgulho da carreira que construiu. “Nunca escondi o fato de ser ator pornô, falo do assunto de uma forma positiva. Minha família sabe, quando eu cheguei para falar eles me disseram: ‘A gente já sabia, seu danado’”, conta aos risos.

Camisinha e outros cuidados necessários

O ex-bancário conta que, desde que entrou para a indústria pornô, passou a cuidar mais do corpo e da saúde
Arquivo pessoal
O ex-bancário conta que, desde que entrou para a indústria pornô, passou a cuidar mais do corpo e da saúde


De acordo com o ator, o uso da camisinha é sempre obrigatório, mas, independente disso, o ator precisa chegar à gravação com todos os exames em dia. “Disso, não posso reclamar. As produtoras sempre estão de olho nisso. É muito difícil hoje em dia no Brasil gravar sem camisinha. Já gravei sem, mas tive de fazer uma pilha de exames”, garante.

Para ele, a principal vantagem de ter se tornado um ator pornô é que ele passou a cuidar mais do corpo, pois quer manter o físico "em dia". Além disso, o ex-bancário acredita que seu trabalho pode servir como ajuda para quem é mais "travado". “Eu faço minha própria faculdade, ensino sobre sexo. As pessoas precisam expandir a cabeça”, diz o ator, que pretende sair do pornô para se tornar palestrante.

Leia também: Comuns ou excêntricos? Veja os fetiches sexuais que mexem com o imaginário

“Tenho dez anos de carreira e agora quero dar palestras compartilhando tudo o que aprendi, falando sobre preliminares, sexo oral e outros assuntos. Por exemplo, o vibrador pode ajudar muito a relação, mas o homem é machista”, relata Catra, se referindo ao fato de que muitos homens rejeitam brinquedinhos eróticos na cama. “Também quero falar da importância de tratar bem uma mulher, mostrar que é importante se cuidar e falar abertamente de sexo em casa, finaliza o ator pornô .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.