Tamanho do texto

Enquanto algumas técnicas podem aumentar o tamanho do pênis, o especialista afirma que certas doenças, medicamentos e até hábitos podem fazer com que o membro diminua. Mas, calma, é possível prevenir isso

A questão do tamanho do pênis é algo muito discutido entre os homens, e, seja por terem um membro menor que a média ou apenas por vontade, muitos deles têm o desejo de aumentá-lo. São diversas as técnicas que prometem cumprir esse objetivo, mas, enquanto o foco está em fazer o pênis aumentar, muita gente nem imagina que o membro também pode reduzir de tamanho.

Leia também: Ereção, tamanho, formato, disfunções: entenda tudo sobre seu membro

Segundo urologista, certas doenças e medicamentos podem reduzir o tamanho do pênis em até 1,5 centímetros
shutterstock
Segundo urologista, certas doenças e medicamentos podem reduzir o tamanho do pênis em até 1,5 centímetros


De acordo com Flávio Areas, urologista do Hospital 9 de Julho, a diminuição do pênis é uma condição ligada principalmente a fatores que dificultam ou impedem a ereção, como diabetes e doenças circulatórias, pois elas acabam reduzindo a oxigenação da região. Fora isso, o especialista afirma que há outros fatores que podem fazer o  tamanho do pênis  diminuir até 1,5 centímetros.

O que pode diminuir o tamanho do pênis?

Conforme explica o especialista, essa alteração de tamanho do membro pode ocorrer tanto em decorrência de doenças quanto de medicamentos e até procedimentos cirúrgicos. Alguns deles são:

  • O tratamento medicamentoso para disfunção erétil via oral ou por injeções a longo prazo;
  • Processos inflamatórios crônicos que ocasionem fibrose peniana, como a doença de Peyronie, que começa a deixar o membro torto;
  • Efeito colateral de algumas técnicas cirúrgicas empregadas para corrigir tortuosidade peniana (doença de Peyronie);
  • O tratamento do câncer de próstata, seja ele cirúrgico ou radioterápico.

A idade influencia no tamanho do pênis?

Além dos fatores citados, outra dúvida comum é se o membro diminui conforme o homem vai envelhecendo. Segundo Areas, isso é, sim, uma possibilidade, já que, com a idade, a frequência de ereções e a produção de testosterona diminuem, afetando o fluxo sanguíneo na região. Como consequência, as ereções se tornam menos rígidas e o pênis passa a ter uma distensão menor (ou seja, não aumenta tanto quanto antes quando o homem fica excitado sexualmente).

Leia também: Sabia que o formato do seu membro pode ser indício de doença séria? Veja mais

“Com o envelhecimento, pode ocorrer uma considerável diminuição. Costumo dizer aos pacientes que o sexo, assim como toda atividade física, necessita de preparo e treino. Isso significa que o pênis sem uso acaba atrofiando”, alerta o urologista.

Cigarro, maconha e suplementos também podem diminuir o pênis

De acordo com o médico, o tabagismo também é um fator que pode, devido a seus efeitos colaterais, diminuir o pênis. Isso ocorre porque fumar pode levar a pessoa a ter problemas circulatórios que, por sua vez, afetam a capacidade de ter ereções, e, como o especialista explicou, a falta atividade sexual pode atrofiar o membro. E não é só o cigarro convencional que pode acarretar essas consequências.

“No caso da maconha, especificamente, a relação está com dificuldade em se obter e manter a ereção sexual, e esse quadro pode perdurar mesmo com a interrupção do uso da droga. É importante ter claro que o uso crônico da maconha também pode interferir diretamente na fertilidade”, alerta Areas.

Leia também: Teria coragem? Sete métodos bizarros para acabar com a impotência sexual

O uso de suplementos e medicamentos em excesso também é um hábito que está relacionado à dificuldade em manter a ereções (além, é claro, de poder gerar vários problemas de saúde), mas o urologista esclarece que isso não tem relação direta com a diminuição do membro masculino.

Como prevenir a diminuição do pênis? 

A dica que o especialista dá para evitar que o tamanho do pênis  acabe diminuindo com o tempo é cuidar da saúde de maneira geral. Para isso, ele aconselha prestar bastante atenção na alimentação para evitar doenças como a diabetes, não deixar de lado a prática de exercícios físicos aeróbicos que estimulem a circulação sanguínea, manter uma vida sexual saudável e ativa para "exercitar" o membro e, é claro, consultar um urologista ao menos uma vez ao ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.