Tamanho do texto

O líder sabe o momento certo de demitir? Nem sempre. Saiba qual é o momento certo para dispensar um funcionário

O contratante seguiu todos os passos, analisou o currículo, fez testes, pediu recomendações, treinou o funcionário e deu a ele toda a estrutura para realizar suas atividades, mas a frustração bateu na porta e o contratado não corresponde às expectativas. Esse conjunto de insucessos significa que chegou a hora de demitir o colaborador?

A demissão é a decisão mais drástica que o líder pode tomar, porém não se deve manter na empresa alguém que não atende por completo o que sua função exige por isso um dos trabalhos mais importantes da gerência é recuperar e desenvolver pessoas. Mas e quando tudo isso já foi feito e a sensação de ter errado feito na contratação é jogada na cara do líder?

Como saber qual é a hora certa de demitir um funcionário?

O consultor da Brimberg Associados Aloizio Alves de Aguiar , especialista em liderança situacional (treinamento específico para formar líderes), esclarece alguns pontos:

A demissão deve ocorrer somente depois que todos os passos para recuperar o colaborador foram dados.

As metas são negociadas, não impostas. Quando o funcionário não está atingindo os resultados que foram negociados com ele (desempenho insatisfatório), fica insustentável a permanência do mesmo na empresa.

Má conduta: Desagregadores podem até ser bons em diversas tarefas, mas contaminam o grupo com negatividade.

Teimosia, persistência em fazer as atividades fora do sistema colocado pela corporação.

Falta de atenção sequencial, exemplo, quem comete o mesmo erro mais que três vezes mesmo tendo sido alertado sobre.

O colaborador está pronto? Tem conhecimento, experiência, destreza? Está motivado, comprometido, empenhado? Em que grau? As respostas serão as mais variadas, gerando níveis de desigualdades no mesmo indivíduo e entre indivíduos em comparação com outros.

Falta de iniciativa. Quem só obedece e não sugere nada, não tem perfil para trabalhar com atividades que não sejam “mecânicas” e repetitivas.

Lealdade, compromisso: O líder deve ficar atento no comportamento das pessoas fora da empresa, como nos intervalos, por exemplo. Quem demonstra interesse em seguir na empresa, não fala o que não deve, não espalha comentários para a “rádio peão” e está sempre a postos quando for necessário praticar uma força tarefa fora do horário de trabalho.

Colaboradores informados de seu desligamento pelos próprios gerentes sentem maior justiça no processo de dispensa como um todo do que aqueles que são informados pelo departamento de recursos humanos. Quem contratou, demite. A demissão deve ser limpa, clara e justa.

Muitas vezes, o próprio funcionário reconhece que chegou o momento de ser demitido ou de se demitir. É quando ele deixa de entregar resultados, aí nada mais pode ser feito.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.