Tamanho do texto

Uma das primeiras bebidas baratas do mundo, drinque surge em mais de 20 opções em bar novaiorquino

Bar de Nova York oferece mais de 20 opções de gim-tônica, uma das primeiras bebidas baratas do mundo
Divulgação
Bar de Nova York oferece mais de 20 opções de gim-tônica, uma das primeiras bebidas baratas do mundo


Considerada uma das primeiras bebidas baratas do mundo, o gim-tônica não tem uma origem definida, mas a lenda em torno de sua criação é boa demais para ser ignorada. Segundo a história, soldados britânicos em ofício na Índia, insatisfeitos com o sabor da tônica - ingerida para combater a malária -, decidiram misturar com o gim para mascarar o gosto. Sem muito requinte, estava pronta a fórmula do famoso drinque.

Se os soldados misturaram gim com tônica sem pensar muito, o mesmo não se pode dizer de quem resolver entrar no Cata, restaurante espanhol localizado em Nova York e dono de um cardápio caprichado de gim-tônicas: atualmente são 26 opções - número que tende a crescer e tornar este texto desatualizado. A inspiração veio da alta demanda pelo coquetel em cidades como Madrid e Barcelona, onde a bebida costuma ser consumida aos litros durante o verão - o nome "Cata" vem de Catalunha.

Talvez você pense que a fórmula espanhola seja manter o tradicional, numa abordagem sem complicações (apenas gim, tônica e gelo). No entanto, para fugir da lima de sempre, eles substituem o ingrediente com novas frutas e especiarias, que valorizam um aspecto botânico no gim.

Há opções com kumquat, uma pequena laranja também conhecida como kinkan, pimenta tailandesa, pepino, côco queimado, menta e coentro. Cada versão utiliza um gim específico, assim como a água tônica - a equipe do Cata provou e discutiu diversas combinações para encontrar a mais apropriada para cada gim.

Segundo Michel Vasilevich, responsável pelas bebidas da casa, "o gim é belo em sua própria natureza". Ele diz ainda que a ideia era que não nenhum sabor se sobreposse ao do destilado. A coproprietário do estabelecimento, Ewa Olsen, comemora o fato de seus clientes não pedirem mais do que dois ou três drinques. "São copos grandes", explica Ewa ao jornal New York Times.

Com a popularidade da gim-tônica em alta, algumas casas fazem questão de produzir sua própria tônica. É o caso do Oceana, restaurante novaiorquino que se orgulha de ter gim de todas as partes do mundo, além, é claro, da sua tônica artesanal em quatro sabores: doce, amarga, cítrica e apimentada. "Por que as pessoas têm um belo gim e o estragam com uma tônica qualquer? Isso me incomoda", questiona Pedro Gonçalves, chefe dos vinhos e drinques do Oceana.

No entanto, Gonçalves se recorda que nem sempre foi um maestro do gim-tônica. Foi assim que ele se sentiu após importar um estoque de pó de quina do Peru. "OK, o que diabos eu faço com isso? Sinceramente, eu não fazia a menor ideia", lembra. Felizmente, por meio da tentativa e erro, ele descobriu como fazer sua própria tônica.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.