Tamanho do texto

Armageddon, criada por uma cervejaria escocesa, deve ser tomada em doses

Depois de alguns anos de experiência fazendo levantamento de copo, é normal que a maioria das pessoas conheça alguém que diz não ficar mais bêbada apenas com cerveja. Produtores da cidade de Aberdeenshire, na Escócia, criaram um produto para contrariar esse "alguém".

Com o nome sugestivo de "Armageddon", ou fim do mundo, a cerveja da fabricante Brewmeister estampa em seu rótulo o título de que é a "cerveja mais forte do mundo". Pretensão? Nem tanto. A bebida apresenta um teor alcoólico de 65%, e de acordo com a cervejaria, a ideia da "bomba alcoólica" veio da cultural local, uma vez que os escoceses são alguns dos melhores bebedores do mundo.

Teor alcoólico de cerveja é de 65%
Reprodução / Facebook
Teor alcoólico de cerveja é de 65%

Vale lembrar que aquela cerveja que pedimos no bar tem 5% de álcool, por isso aconselha-se beber a Armageddon em doses, nunca uma garrafa de uma vez, do contrário suas chances de conhecer um pronto-socorro podem aumentar em 100%.

A cerveja é amarga, propícia para ser degustada como um malte, o líquido é um pouco mais viscoso que o normal e a receita leva malte caramelo, trigo, aveia em flocos e água de nascente.

A quantidade ignorante de álcool não está nos ingredientes e sim no processo de fabricação. A mistura toda vai para o freezer e como a água congela, mas o álcool não, o excesso de água é retirado, fazendo com que a porcentagem de álcool dispare.

A ideia da marca é para pessoas consumirem como um bom brandy, em pequenas quantidades, e não sentadas no bar pedindo várias rodadas de cerveja jogando papo fora com os amigos. “São garrafas para serem partilhadas”, sacramenta o fabricante.

Ela é feita em uma escala muito pequena, de apenas 40 garrafas por lote. É possível encomendar a cerveja pelo site da fabricante, ao preço de US$ 50 (cerca de R$ 114) a garrafa de 330 ml. A Armageddon será lançada oficialmente mês que vem, durante o Inverness Beer Festival, na Escócia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.