Tamanho do texto

Kirin Frozen, da cervejaria japonesa, utiliza uma espuma congelada no topo do copo que mantém a bebida gelada por até 30 minutos

Espuma congelada no topo do copo mantém a cerveja gelada por mais tempo
Divulgação
Espuma congelada no topo do copo mantém a cerveja gelada por mais tempo

Não precisa ser um bebedor com carteirinha para saber que uma cerveja quente é capaz de matar qualquer happy hour ou comemoração. Quando não se tem um freezer ou cooler com gelo por perto, é praticamente impossível manter a cerveja na temperatura ideal para o consumo, ou pelo menos era.

A Kirin Frozen, da cervejaria japonesa de nome homônimo - tira-se apenas o "frozen" -, promete dar uma sacudida no mercado com sua espuma que mantém a loira gelada por até 30 minutos.

Uma máquina semelhante às usadas para fazer iogurte resfria a espuma na temperatura de até -5°C e a transforma em algo parecido com uma porção de sorvete de baunilha suave, ajudando a manter a bebida gelada em ambiente de até 40°C. A técnica não requer água ou gelo, e a espuma continua a ser feita a partir de 100% de cerveja

Produzida inicialmente por conta dos constantes problemas com a falta de eletricidade, a cerveja coleciona fãs, e é claro, opositores. Críticos dizem que a espuma pode “ficar no caminho” e atrapalhar os consumidores. Os mais tradicionalistas ainda acreditam que a nova cerveja seria uma deturpação da original, alterando seu sabor e sua essência. Entretanto, os ávidos frequentadores dos estádios de beisebol no Japão aprovam a invenção.

Embora o amor por cerveja gelada seja universal, a bebida só está disponível em alguns estádios e restaurantes do Japão, Estados Unidos e alguns estabelecimentos da Europa. Não há previsão para a distribuição no Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.