Tamanho do texto

Esses números são resultados de técnicas cirúrgicas mais eficientes e o reflexo do comportamento do homem atual, mais preocupado com a aparência e autoestima

O ditado diz: "é dos carecas que elas gostam mais". Porém, muitos homens não querem nem saber de ficar sem cabelo e procuram cada vez mais cirurgias plásticas para se livrar da calvície. Um estudo realizado pela ISHRS (International Society of Hair Restoration Surgery) mostra que, nos últimos dois anos, aumentou 28% o número de pessoas que se submeteram a procedimentos cirúrgicos desse tipo e que esse mercado movimentou mais de R$ 9,8 bilhões em 2014.

Os dados mostram ainda que a América Latina foi a região onde esse crescimento foi mais expressivo, 82%. Para o cirurgião plástico e membro da ISHRS, Mauro Speranzini, esses números são resultados de técnicas cirúrgicas mais eficientes e o reflexo do comportamento do homem atual, mais preocupado com a aparência e autoestima.

Implante capilar cresce a cada ano
Getty Images
Implante capilar cresce a cada ano

"Para analisar esses dados, precisamos levar em conta que, atualmente, os homens estão mais preocupados com a imagem, mas que, principalmente, os resultados de antigos procedimentos não eram tão eficazes como os de hoje em dia", explica o médico. Ele completa que, com o advento de novas técnicas de transplantes capilares, como a Técnica FUT (Follicular Unit Transplantation), FUE (Follicular Unit Extraction) Manual e Robotizada (vide abaixo cada uma), foi possível chegar resultados idênticos aos naturais.

A maioria dos pacientes que procuram esse tipo de procedimento são homens, com idade entre 30 e 49 anos. Isso também impactou o mercado econômico com o aumento da movimentação de 1,9 bilhão de dólares em 2012 (R$ 7,5 bilhões), para 2,5 bilhões de dólares em 2014 (R$ 9,8 bilhões).  Do total dessas cirurgias, 85% dos pacientes procuram a restauração capilar, fazem porque tem queda de fios por problemas genéticos e 6,4% por questões reconstrutivas, como deformação por acidentes.

Evolução das Técnicas

A evolução das técnicas de transplante capilar chama a atenção neste levantamento, que aponta que a técnica FUT ainda é a mais usada no mundo. Entretanto, vem perdendo espaço para técnica FUE Manual e depois a FUE Robotizada. Para entender melhor cada uma delas, Mauro Speranzini explica cada uma delas.

Técnica FUE:  de acordo com o especialista, refere–se a uma das mais modernas, seguras e minimamente invasivas técnicas de implante capilar. “Nessa modalidade, as unidades foliculares são extraídas uma a uma da área doadora e colocadas na receptora (área calva).  O processo consiste em obter cabelo de áreas doadoras (quais ?) para transplante com o mínimo de danos ao paciente.

Ilustração da técnica FUE
Getty Images
Ilustração da técnica FUE


Técnica FUE Robotizada: fabricado nos Estados Unidos, teve seu uso autorizado recentemente no Brasil e é usado como auxiliar nas cirurgias de transplante de cabelos na Técnica FUE. Pode ser considerado uma das últimas invenções no tocante a transplante capilar.  O Robô promete aos pacientes, reconhecer e qualificar as unidades foliculares e extraí-las, para que depois o médico faça a inserção na área receptora.

Técnica FUT:  o cirurgião explica que, neste método, um fuso de pele é retirado do couro cabeludo com um bisturi – área doadora. As unidades foliculares formadas por fios de cabelo em seu tamanho original – técnica do fio longo - são separadas e transplantadas para a área receptora. O procedimento proporciona um confortável pós-operatório, pois camufla sinais perceptíveis da cirurgia, permitindo um rápido retorno ao convívio social. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.