Tamanho do texto

Cirurgia existe desde 1973 e, segundo médico que realiza a operação, cerca de 94% dos pacientes ficam satisfeitos

Cirurgia resolve disfunção erétil
Getty Images
Cirurgia resolve disfunção erétil

A idade chega e, junto com ela, os problemas sexuais. São muitos os homens que sofrem com disfunção erétil, principalmente os mais idosos, que recorrem a medicamentos como Viagra, Cialis ou Levitra, por exemplo, para manterem a vida sexual ativa. Mas nem sempre a pílula azul resolve, de acordo com um estudo realizado na Inglaterra com homens acima dos 50 anos de idade.

Pouca gente sabe, mas uma opção surpreendente para o problema vem dando certo com muitas pessoas: uma cirurgia de implante peniano. Apesar de existir desde 1973, esse tipo de operação tornou-se confiável somente a partir do início dos anos 2000, com os muitos avanços tecnológicos.

O médico Brian Steixner, do Instituto de Saúde Masculina e Urologia de Nova Jersey, nos EUA, revelou que 94% dos homens que passaram pela cirurgia ficaram satisfeitos com o resultado. Através de uma pequena incisão, o médico coloca uma bomba dentro do saco escrotal, atrás da parede abdominal, juntamente com um reservatório de água. Quando a bomba é pressionada, ela envia água para o pênis, enchendo-o e estimulando a ereção.

Diferente, não? E dá certo sim, como o marinheiro aposentado Gordon Lawson admitiu em entrevista ao "Men's Health". Aos 75 anos de idade, ele fez o implante e está feliz com sua atual performance sexual.

"Você se concentra no objetivo de ter uma ereção e isso substitui qualquer desconforto que possa existir com a cirurgia", disse Lawson. "Você não quer parar depois de um orgasmo, e nem precisa parar. Pode mudar de posição duas ou três vezes, contanto que sua parceira também queira. Isso te dá capacidade", finalizou.

Mais detalhes da prótese

Urologista e coordenador do grupo de disfunção sexual do Centro de Referência de Saúde do Homem, em São Paulo, Alcides Mosconi afirmou que as próteses mais usadas são a semirrígida e a inflável.

"Na semirrígida, são fios de prata recobertos por silicones que vão dentro dos corpos cavernosos [do pênis]. Com estímulo, ele tem uma ereção, e o fio é que dá a sustentação. Os resultados são muito bons. Já na inflável, o que faz a ereção é o soro que fica em um dispositivo dentro da bolsa escrotal. É um bombinha, você aperta com a mão e joga o soro no reservatório dentro dos corpos cavernosos, aí cria uma ereção artificial", explicou o urologista.

Ele estima que, em 2013, mais de 120 próteses do tipo semirrígida, realizada de graça no Centro de Referência de Saúde do Homem, foram implantadas, e que pacientes com 60 a 70 anos de idade compõem a maioria dos casos. Sobre a cirurgia em si, ela dura em torno de uma hora, e o paciente é liberado para ter uma relação sexual após 30 dias.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.