Tamanho do texto

A garota de programa Dafne Anãzinha passou a se dedicar ao striptease na internet, mercado que cresce muito no Brasil: "Paga no dia seguinte e dá para pagar todas as minhas contas"

Você já deve ter ouvido falar da garota de programa Dafne Anãzinha , não? Com mais de 30 mil inscritos, o canal de vídeos dela bomba - e o blog sobre seu cotidiano também. A estudante prestes a se tornar advogada contabiliza milhares de seguidores em suas redes sociais, já participou de programas de televisão e, no próximo mês, confirmou presença no programa "The Noite", apresentado por Danilo Gentili, no SBT. Apesar do sucesso na internet, ela só se dedicava a fazer programas presenciais com clientes, mas isso acaba de mudar.  Há algumas semanas, Dafne passou a se dedicar ao striptease na web em sites nacionais e internacionais. 

Strippers virtuais: elas rejeitam empregos comuns e aceitam recarga de celular

Dafne
Arquivo pessoal
Dafne

"Safados em qualquer língua"

"Está sendo legal. Só tenho dificuldade com o inglês no site americano, mas, com o tempo você aprende que os homens são safados em qualquer língua, não importa de que país sejam", diz, rindo, sobre os acessos de ingleses, chilenos, árabes, alemães e russos. "Não sei o motivo, mas tem muitos homens da Rússia que me procuram".

Dafne, que começou a fazer programas, basicamente, por falta de dinheiro (ela cursa o último ano da faculdade de Direito), diz que fatura em torno de R$ 6 mil por mês com a nova atividade. 

Pagamento em dólar

"O site americano paga melhor, em dólar, duas vezes por mês, e consigo ganhar mais que fazendo programa. Todo o serviço é cobrado por minuto. São mais de R$ 23 (US$ 5,98/min). Em cinco dias, consigo uns R$1.200,00", explica. 

Site nacional

O serviço em site brasileiro paga à jovem de 25 anos R$ 1,90 por minuto. Se o cliente preferir um atendimento exclusivo, a sala privada rende R$ 2,40 por minuto. "No Brasil, o pagamento é feito no dia seguinte em conta. Então, se estou precisando de dinheiro rápido, fico no site brasileiro quase o dia todo por causa disso: paga no dia seguinte e dá para pagar todas as minhas contas. Aí, quando me chamam em outro site, dou pausa na apresentação", diz.

Segundo Dafne, o fato de ser um atendimento virtual não significa que o corpo não sente. "Nem sabia que existia esse tipo de serviço e ganhar dinheiro sem sair da casa. Mas tem que ter preparação física porque, às vezes, para dar bastante dinheiro a gente tem que trabalhar das 8h às 23h. É puxado", emenda.

Mercado em alta

Uma pesquisa divulgada recentemente pela Symantec revelou que 55% dos internautas brasileiros têm o hábito de acessar páginas com conteúdo pornográfico. Em segundo lugar estão os chineses, com 51% , seguido pelos alemães e também os britânicos, com 35% cada. Ainda de acordo com o levantamento, cerca de 12% dos sites que existem na internet têm conteúdo exclusivamente pornográfico.

Pedidos curiosos

"Em geral, os pedido são os mesmos feitos para qualquer camgirl. Eles pedem muito anal, mas também já me fizeram pedidos curiosos. Uma vez, ganhei cerca de R$ 100 para tomar um copo de água gelada", finaliza.

Clara Aguilar: Web Stripper profissional antes e depois do BBB
Reprodução/Facebook
Clara Aguilar: Web Stripper profissional antes e depois do BBB


Famosa no ramo

Pode ser novidade para Dafne, mas o serviço, que tem crescido no mundo todo, foi a escolha de Clara Aguilar . A ex-BBB, que era conhecida como Barbie Wild (Barbie selvagem) na internet, fazia apresentações pornográficas de masturbação na web por US$ 25, o que, atualmente, renderia R$ 100.

"Vivo bem e me divirto com o trabalho", diz Rebeca Galabarof, modelo de webcam

Mesmo após ficar famosa por sua participação no programa da Globo, Clara voltou a se dedicar à atividade . Em entrevista após deixar a casa do reality show, ela revelou ter ganho R$ 3 mil em um único dia.

Veja na galeria mais histórias de strippers virtuais


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.