Tamanho do texto

Terapeutas falam de masturbação, estimulação, ereção e o desempenho sexual, assuntos que costumam assombrar muitos relacionamentos

Os terapeutas sexuais costumam dizer que quanto mais você souber sobre sexo, melhor você será de cama. Se você está mal informado, o sexo provavelmente será menos prazeroso para você e para parceira. Por isso, é importante acabar com os mitos e entender detalhes do próprio corpo e do da mulher.

Leia também: 13 curiosidades sobre o sêmen que você precisa saber

Terapeutas sexuais falam sobre os mitos que envolvem o sexo
shutterstock
Terapeutas sexuais falam sobre os mitos que envolvem o sexo


O problema está justamente nos mitos que são espalhados sobre o assunto e, para desvendar esses erros, vários terapeutas sexuais listaram ao portal americano “The Huffington Post” os equívocos mais comuns que muitos já ouviram sobre o sexo.  

1. A masturbação é ruim para um relacionamento

A masturbação costuma ser um assunto polêmico entre diversos casais, porém a psicóloga Janet Brito diz que essa é uma prática de auto prazer extremamente importante, tanto para os homens quanto para as mulheres que estão em relacionamentos com baixa vontade sexual.

A especialista explica que a masturbação se torna um desafio porque há muitos tabus que classificam essa prática como algo sujo, egoísta ou um sinal de traição. “Ensino os casais que isso é essencial para aprender sobre o que é bom para eles, pois quando ambos se conhecem um pode ensinar para o outro o que apreciam”, afirma.

2. Todas as mulheres podem (e devem) ter orgasmos na relação sexual

De acordo com um estudo de 2005, menos de um terço das mulheres chegam ao orgasmo durante uma relação sexual. Acreditar que através do sexo é comum a parceira chegar ao clímax é um equívoco terrível e isso costuma causar vergonha e frustração nos relacionamentos.

Leia também: Desvende os mitos do sexo anal e saiba como aproveitar com a parceira

A terapeuta sexual Celeste Hirschman explica a maioria das mulheres precisa de estimulação do clitóris para atingir o orgasmo e a relação sexual por si só raramente oferece estimulação suficiente. “A parceira pode precisar de algo extra, como toques com as mãos, vibradores ou um sexo oral”, diz. A relação vai ficar muito mais divertida e prazerosa.

Estimular a mulher é uma formar de ajudá-la a atingir o orgasmo
shutterstock
Estimular a mulher é uma formar de ajudá-la a atingir o orgasmo


3. O clitóris é pequeno e difícil de encontrar

“Muitos homens e mulheres não têm ideia de que a glândula visível do clitóris é apenas a ponta do iceberg”, fala a terapeuta sexual Kat Van Kirk. Isso significa que há muito que explorar na hora de estimular a parceira, mesmo a estimulação direta do clitóris ainda ser a forma mais simples da mulher obter prazer.

4. O sexo deve sempre ser amoroso entre casais

O erotismo fica melhor quando você se permite experimentar coisas novas com a parceira. Uma vez que a confiança, o respeito e o consentimento são estabelecidos, busque ousar mais na cama. Para a terapeuta sexual Kimberly Sharky, é preciso se render e ser desinibido com os pedidos. Se fizerem sempre a mesma coisa, o sexo vai se tornar previsível e vai acabar se desgastando com o tempo.

5. Se o clima esquentar, a excitação física será rápida

“Se a mulher não está molhada ou o homem não está com o pênis ereto, isso não indica falta de excitação. Você pode ser mentalmente despertado, mas não mostrar sintomas visíveis disso”, expõe a especialista Moushumi Ghose. Ela diz que às vezes o corpo leva um tempo para acompanhar a mente, isso é normal e não deve ser considerado uma disfunção ou um problema.

Leia também: Falta de ereção? 10 maneiras simples para escapar desse problema (agora!)

“Odeio o termo disfunção erétil por esse motivo. Isso coloca pressão irreal sobre os homens, ao ter diferenças e mudanças no tamanho, intensidade e duração das ereções. Tudo isso faz parte do ciclo natural da natureza humana”, revela a terapeuta sexual.

6. O bom sexo é tudo em um relacionamento

Muitos acreditam que ser bom de cama é o que salva uma relação, mas a especialista Keeley Rankin garante que desemprenhar as habilidades sexuais perfeitamente não garante que o relacionamento vai durar.  Não há dúvida de que se sentir sexualmente confiante é importante, mas há diversos aspectos que influenciam na vida do casal e contribuem para manter a união, então deixe esse e os outros mitos de lado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.