Tamanho do texto

Uma pesquisa chegou a apontar os vídeos eróticos como os culpados pelo homem perder o interesse na parceira, mas nova pesquisa mostra o contrário

A pornografia muitas vezes é colocada como a grande vilã que afasta os marmanjos das parceiras, mas a história pode não ser bem assim. Segundo pesquisa, apenas um em cada cinco homens assistem a vídeos eróticos para evitar ter relações.

Estudo aponta que pornografia não é o que afasta das relações sexuais com a parceira
shutterstock
Estudo aponta que pornografia não é o que afasta das relações sexuais com a parceira


Esse dado foi descoberto por um recente estudo que contrapõe outro que indica que os homens que costumam assistir pornografia são mais propensos a ficarem desinteressados manter relações sexuais com a parceira. Os especialistas criticaram essa segunda teoria , pois afirmam que isso simplifica demais o problema. 

“Os homens usam a masturbação para compensar a falta de satisfação sexual nos relacionamentos. Como esse comportamento sexual é muitas vezes acompanhado de pornografia, pode ser facilmente mal interpretado”, fala o psicólogo clínico especializado em problemas sexuais David Ley ao portal britânico “The Sun”.

Principais conclusões

O novo estudo foi realizado por uma equipe de especialistas de Los Angeles, Califórnia, que estudou 335 homens que estão em relacionamentos estáveis e descobriu que 22% preferem ver vídeos pornôs a fazer sexo com a parceira.

Leia também: Teste: você é viciado em conteúdo pornô?

Também foi identificado que 28% dos entrevistados optam pela masturbação ao longo das relações sexuais. Um dado curioso é que os homens que acham melhor a masturbação do que a relação sexual relatam ter mais dificuldade em manter a ereção.

Os caras que são fãs de assistir a vídeos eróticos ou se de masturbar dizem que não estão muito felizes no relacionamento. E aqueles que relataram que não se sentem sexualmente satisfeitos foram os mesmos entrevistados que estavam lutando contra a disfunção erétil.

A pornografia é o sintoma, não a causa

A autora do estudo diz que a disfunção erétil provoca o uso de conteúdo pornográfico e não o contrário. “Os homens não estão preferindo filmes sexuais por si só. O mais prováveis é ​​que evitem a parceira através da masturbação, e durante o ato eles acabam assistindo a esses vídeos eróticos ”, explica a psicofisiologia sexual Nicole Prause.

Leia também: "Tenho 31 anos, sou viciado em material pornô, mas nunca fiz sexo"

A pesquisa anterior chegou à conclusão de que os observadores regulares de pornô são menos propensos a responder à atividade sexual do mundo real e que devem depender cada vez mais da pornografia, mas Nicole ressalta não foram feitas perguntas sobre a masturbação. “Os autores parecem estar tentando deliberadamente culpar filmes sexuais por dificuldades eréteis”, finaliza.

    Leia tudo sobre: amor
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.