Tamanho do texto

Os homens ainda possuem muitas dúvidas sobre os problemas envolvendo a ereção. Veja detalhes sobre o uso de medicamentos, a relação com o coração e porque emagrecer pode ajudar a prevenir a temida disfunção erétil

Que a disfunção erétil afeta a vida sexual do homem e do casal já é mais do que sabido, mas um aspecto importante do problema e que muita gente não sabe é que a falta de ereção pode ser sinal de doenças crônicas graves.

Leia também: 7 fatores que podem causar disfunção erétil

Disfunção erétil não afeta apenas a saúde física do homem, mas, principalmente, o emocional, já que atrapalha o sexo
Shutterstock
Disfunção erétil não afeta apenas a saúde física do homem, mas, principalmente, o emocional, já que atrapalha o sexo

O homem vai ao consultório de um urologista preocupado com a vida sexual e, principalmente se for jovem, pode sair de lá com a recomendação para procurar um cardiologista. A disfunção erétil  pode ser um sinal de alerta e ajudar a pessoa a ser diagnosticada precocemente com um mal que poderia afetar seu coração.

A condição que preocupa aproximadamente 59% dos homens no Brasil tem duas causas principais, orgânicas e emocionais, mas também pode ser uma junção desses dois fatores. Dados da Sociedade Brasileira de Urologia apontam ainda que 12% dos quase 60% que têm ou já tiveram problemas de ereção sofrem com isso de forma recorrente.

Entre as doenças físicas que podem gerar a disfunção estão problemas cardiovasculares, distúrbios neurológicos, desequilíbrios hormonais e, claro, lesões no próprio pênis. Já entre os fatores emocionais que podem afetar a vida sexual do homem estão o estresse, transtornos de ansiedade e depressão.

Relação coração e ereção

Por incrível que pareça, a disfunção erétil é um problema de origem vascular, sendo esse um sinal de alerta para os homens que não sabem que possuem alguma complicação no coração, mas estão sentindo dificuldades em ter e manter a ereção na hora do sexo.

“Todos os homens com sintomas de disfunção erétil (DE) podem ter um evento cardiovascular fatal em um período de cinco anos, devendo procurar o urologista ou cardiologista para receber orientações de como combater os fatores de risco”, alerta o urologista Fernando Nestor Facio Jr, membro da Sociedade Brasileira de Urologia de São Paulo.

Dificuldades com ereção podem ser um sinal de problemas cardiovasculares
shutterstock
Dificuldades com ereção podem ser um sinal de problemas cardiovasculares


De modo geral, para diminuir os fatores de risco, o especialista fala que é preciso ficar atento a problemas adjacentes como obesidade, sedentarismo e tabagismo. Quando diagnosticada alguma doença crônica, como hipertensão arterial e diabetes, é preciso seguir o tratamento à risca. Também é fundamental controlar os níveis de colesterol e triglicérides.

Para resolver boa parte desses problemas, basta adotar um estilo de vida diferente, e um bom começo é passar a cuidar da alimentação, manter hábitos saudáveis e fazer atividade física. 

Medicamentos

A descoberta de moléculas que poderiam ajudar o homem com disfunção erétil, e consequentemente a de medicamentos, revolucionou o sexo para o homem. Entretanto, mesmo com o primeiro medicamento do tipo já tendo quase de 20 anos de aprovação, ainda há medo e dúvidas em relação ao seu uso por parte de alguns homens.

Inicialmente, o fármaco sildenafila foi desenvolvido para tratar pessoas com pressão alta, mas a verdade é que ele não baixava a pressão, e os testes foram interrompidos. “Aí os pacientes não queriam devolver o remédio, porque viram que melhorava o desempenho sexual”, brinca o urologista Luiz Otávio Torres, presidente eleito da International Society of Sexual Medicine.

Leia também: Tipo sanguíneo pode estar relacionado a problemas de ereção

Por conta disso, e pelo mito do “conhecido que acabou morrendo após tomar o medicamento e fazer sexo”, alguns pacientes com problemas cardíacos acreditam que não podem tomá-lo. “A única contraindicação é para quem faz tratamento com nitratos por conta da angina – tipo de dor no peito. A pessoa até pode mudar o medicamento que toma para o problema, mas não é o urologista que fará isso, tem de ser o cardiologista.”

Muitos homens ainda possuem dúvidas sobre os medicamentos e têm medo de usar
shutterstock
Muitos homens ainda possuem dúvidas sobre os medicamentos e têm medo de usar


O especialista afirma que o tratamento com medicamento é seguro, e explica que foram 13 anos de estudo, inclusive no Brasil, para atestar a eficácia do mesmo. Atualmente, incluindo o famoso Viagra, já são 34 medicamentos contra o problema, com 5 moléculas diferentes, apenas no Brasil. Além do tratamento via oral, é essencial também o tratamento psicológico, para trabalhar o emocional deste homem, que pode estar abalado.

Quem não se dá bem com o medicamento pode também testar outras alternativas, como uma injeção que deve ser aplicada antes da relação sexual – neste caso, diferentemente do medicamento via oral, não é necessário qualquer estímulo visual ou de tato para que o membro fique ereto –, cirurgia para prótese peniana ou até bomba de vácuo, que aqui no Brasil não é muito usada.

Emagrecer ajuda

Uma forma de evitar o problema sem o uso de medicamentos é perdendo peso. “A obesidade representa uma patologia grave e de grandes dificuldades para uma boa performance sexual, como falta de ar, baixa energia, baixa estima e baixa de hormônio masculino, como a testosterona, que é responsável pela libido e pela capacidade de boa ereção”, relata Fernando.

Para entrar em forma, é necessário manter uma dieta saudável e fazer atividades físicas regularmente. O urologista lembra que antes de fazer uma mudança radical na rotina é preciso ter uma orientação médica.

Anualmente, não deixe de fazer uma visita ao cardiologista para controlar a hipertensão e ao endocrinologista para controlar a diabetes e a obesidade. Também conte com a ajudar de um educador físico para realizar as atividades físicas. Essas recomendações são tão enfatizadas porque a idade, o histórico do paciente e as condições físicas que apresenta devem ser analisadas por um especialista, caso contrário o que era para ajudar pode se tornar um problema ainda maior.

Fazer exercícios físicos é uma forma de evitar a temida disfunção
shutterstock
Fazer exercícios físicos é uma forma de evitar a temida disfunção


Em alguns casos, o homem não tem escapatória e fazer uso de medicamentos acaba sendo a melhor opção para conseguir a almejada ereção. Vale lembrar que em nenhuma hipótese é indicado tomar medicamentos por conta própria, pois além de afetar a qualidade de vida do homem, isso é algo extremamente perigoso.

Melhorias na saúde

O surgimento de medicamentos para tratar a disfunção erétil não serviu para ajudar o homem apenas em sua vida sexual, mas em sua saúde como um todo. O urologista Luiz Otávio Torres conta que, enquanto as mulheres sempre frequentaram o ginecologista, o homem parecia ser órfão de um médico próprio para si. Se elas passam a frequentar o consultório ginecológico desde a primeira relação sexual, eles só deixam para ver se está tudo bem com seus órgão sexuais quando chegam ao 40 e precisam fazer o exame do toque – isso quando vão ao médico.

Leia também: Falta de vitamina D pode causar disfunção, revela estudo

O especialistas explica que quando recebe um paciente novo em seu consultório, para falar sobre disfunção erétil, já procura aproximá–lo de sua própria saúde, fazendo com que ele se conheça e se preocupe mais consigo mesmo. “Acabamos aproveitando essas visitas para fazer o controle de doenças importantes que estão relacionadas ao público masculino, como o câncer de próstata, por exemplo.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.