Tamanho do texto

Homens de todo o País responderam perguntas sobre o assunto, e o resultado foi que 9 a cada 10 homens aprovam a Lei

A Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006) completa 10 anos no dia 7 de agosto. Ela foi criada para garantir os direitos das mulheres que sofrem violência doméstica e familiar. Mas qual a visão masculina sobre o assunto? Uma pesquisa feita pelo Instituto Avon em parceria com Data Popular indica que 9 a cada 10 homens aprovam a lei .

Pesquisa revela que maioria dos homens são a favor da Lei Maria da Penha
Pinterest
Pesquisa revela que maioria dos homens são a favor da Lei Maria da Penha


A pesquisa foi realizada em 2013 com 1.500 homens de todo o país e mostra que 92% dos entrevistados são favoráveis à legislação. Além disso, 86% acreditam que a Lei Maria da Penha  ajudou a diminuir a violência doméstica contra a mulher . Desde que a lei foi criada, houve uma queda de 10% da taxa de homicídio de mulheres dentro das residências, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Os dados também indicam que 68% dos homens  acreditam que a medida contribui para uma mudança de comportamento, caso tivessem atitudes agressivas dentro de casa.

Por outro lado, 37% dos homens acham que as mulheres os desrespeitam mais por terem a Lei Maria da Penha a favor delas.

Lei para defender os homens

A pesquisa também mostra que 81% dos entrevistados defendem a criação de uma lei a favor dos homens  que são agredidos por mulheres. E essa já é uma realidade em alguns estados.

“A Lei Maria da Penha foi criada visando prevenir, punir e erradicar a violência contra mulher no âmbito doméstico e familiar. Contudo, Tribunais dos Estados do Mato Grosso, do Mato Grosso do Sul e de Minas Gerais já decidiram no sentido de aplicar a Lei em favor dos homens, utilizando uma interpretação extensiva e analógica da legislação, defendendo o Princípio da Isonomia que garante a igualdade de todos perante a lei”, explica a advogada Monique de Paula Amorim.

Referência em casa

O psicólogo Dario Posada explica que, muitas vezes, a violência que os homens usam para resolver conflitos é ensinado em casa com brincadeiras e orientações machistas . “Esse modelo de masculinidade acaba se tornando muito rígido, com pouca flexibilidade e com poucas saídas para gerenciar os conflitos. Muitas vezes, a gente vê que alguns aspectos da hierarquia de gênero estão mudando, mas parece que não avisaram esses homens. Vem se falando muito sobre crise da masculinidade, da sexualidade masculina. A violência é um reflexo de tudo isso”, afirma o psicólogo.

Reconhecer o erro

A pesquisa contou com a participação de 13 especialistas ligados a órgãos governamentais e organizações da sociedade civil que se dedicam ao enfrentamento da violência doméstica e seis agressores. A conclusão dos especialistas tiveram com esse estudo é que milhares de brasileiros conhecem alguém que já foi agressivo com a parceira, mas poucos homens admitem que já tiveram uma atitude violenta

Fique esperto! A Lei Maria da Penha vem crescendo a cada ano e está encorajando, cada vez mais, as mulheres a denunciarem seus agressores .  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.