Tamanho do texto

A cerveja sofreu grandes transformações ao longo do tempo. Você sabia que no começo a bebida era feita em casa, apenas por mulheres?

Está pronto para conhecer a próxima escola? A série* começou falando da escola cervejeira alemã , uma das maiores referências no mundo. Agora é hora de conhecer as características da cerveja inglesa, que teve origem no período em que o Império Romano chegou às terras da rainha. Nesta época, o comércio era baseado em troca de tecnologias e a famosa bebida, hoje muito apreciada, foi uma delas.

Escola cervejeira inglesa conta com cervejas marcantes
Pinterest
Escola cervejeira inglesa conta com cervejas marcantes

Os romanos conheceram a cerveja ao estabelecer laços com os egípcios, mas o especialista em cerveja e dono Cervejaria Júpiter, David Michelsohn, conta que era uma bebida bem diferente da que é conhecida hoje. “Eles levaram a cerveja para outros territórios que ocupavam, como a ilha ao norte da Europa que hoje é conhecida como Grã Bretanha”, diz.

Expansão

A bebida era encontrada em bases militares e logo se espalhou para mosteiros e foi se tornando cada vez mais popular. David fala que a cerveja era produzida em casa, normalmente por mulheres conhecidas como Alewives, e a bebida caseira era conhecida como Ale.

“A cerveja era escura, feita de trigo, cevada ou aveia. Levava também o gruit, uma mistura de ervas que ajudava a conservar a cerveja e dava um toque de amargor”, explica o especialista.

Grande produção

A grande transformação aconteceu no século XVII. “Os ingleses passaram a usar o lúpulo, uma inovação alemã. Também aprenderam a fazer cervejas claras”, conta o cervejeiro. Então veio a Revolução Industrial e a bebida começou a ser produzida em fábricas . Com a produção em larga escala, os ingleses aproveitaram o período das navegações e passaram a exportar a cerveja.

Descubra mitos e verdades sobre a cerveja

Cerveja inglesa é levemente frutada
Pinterest
Cerveja inglesa é levemente frutada

Características

A escola cervejeira inglesa tem como marca bebidas levemente frutadas . O especialista diz que isso vem da fermentação com a levedura do tipo Ale. “São marcantes os lúpulos ingleses, herbais, terrosos e às vezes frutados”, afirma.

Ele completa dizendo que a Inglaterra é famosa por ser o berço de vários estilos clássicos. “As India Pale Ales são amargas e aromáticas, as Porters escuras são achocolatadas e deliciosas e as Barleywines são cervejas potentes e encorpadas, recomendadas para eventos festivos”, exemplifica David.



Tarefa para aventureiro

Não vá se enganado achando que é fácil conhecer as cervejas inglesas . “É tarefa para aventureiros. Pode-se começar pelas Milds, um estilo leve e convidativo, presente em quase todos os pubs da ilha. Depois, recomenda-se avançar pelas Bitters, um pouco mais fortes e amargas”, explica David, que completa falando de outros estilos.

“Em seguida os bravos cervejeiros podem avançar pelas Stouts, estilo da famosíssima Guinness, torradas e intensas, e daí para frente os sabores e aromas se diversificam cada vez mais, para alegria de todos”, finaliza o cervejeiro.

Cerveja artesanal sem glúten? Sim, isso existe e já testamos

*Deu vontade de apreciar uma boa cerveja? Então fique de olho em nossa série. A próxima reportagem vai falar sobre a escola cervejeira belga.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.