Tamanho do texto

"As revistas de moda e beleza e até mesmo os catálogos de produtos destacam vários corpos, mas nunca existiu um modelo que representasse o meu corpo e as minhas curvas", afirma Felipe Dias, que defende o plus size

Por considerar o corpo fora dos padrões de beleza pré-estabelecidos, o estudante de arquitetura e urbanismo Felipe Dias se sentia incomodado com a própria imagem. Durante a adolescência, fui alvo de gozação e bullying , chegou a passar por uma reeducação alimentar severa e nessa experiência percebeu que poderia ter estilo independente do físico que possui.

Felipe Dias passou a aceitar o próprio corpo e hoje dá consultorias de estilo em blog
Arquivo pessoal
Felipe Dias passou a aceitar o próprio corpo e hoje dá consultorias de estilo em blog


Leia também: 5 dicas para se manter na moda 

“As revistas de moda e estilo e até mesmo os catálogos de produtos destacam vários corpos, mas nunca existiu um modelo que representasse o meu corpo e as minhas curvas. Para um adolescente, era complicado se sentir inserido, bonito e gostar da aparência”, conta Felipe ao Deles.

Mudando o visual

Em 2014, cansado de não se sentir bem com a própria imagem, resolveu fazer um regime rigoroso . Depois de perder 30 quilos, passou a realmente conhecer o próprio corpo e percebeu que não precisava ocultar nada nele, mas, sim, se enxergar de uma maneira diferente e rever a forma que se vestia.

“Por estar fora dos padrões vendidos nas capas de revistas, tentei explorar as melhores fórmulas e métodos, para manter um equilíbrio entre as minhas preferências pessoais, o que o mercado pode me oferecer e as novidades do mundo da moda”, fala o estudante.

Inspiração do Dia! | Camisa/Camiseta: TNG | Bermuda: Hering | Tênis: Nike

A post shared by Felipe Dias (@fehdhias) on


Plus size ganha espaço

Nesse momento, ele sentiu interesse em explorar o universo da moda masculina e através de um blog passou a ajudar outros homens que não se sentem bem com o corpo a melhorar o guarda roupa e a se sentir bem com a própria aparência.

Leia também: Confira os tipos de barba mais usados, quais os cuidados e tipo de manutenção

“Atualmente, o plus size vem ganhando seu espaço na moda de forma gradativa, com a abertura de lojas especializadas e com modelos que nos representam. Porém ainda estamos longe do que pode ser considerado ideal”, expõe Felipe. “Existe uma grande barreira no mundo da moda, o processo de inclusão ainda é mascarado”, completa.

Importância da imagem

No blog, o rapaz tira dúvidas e o contato com os internautas o fez perceber que os homens brasileiros ainda são um pouco resistente quando o assunto é moda e isso faz com que muitos não tenham noção do que vestir em uma reunião profissional, um casamento, um happy hour e em outras situações.  


“Há uma grande dificuldade do homem em entender que a imagem que ele deseja transmitir à sociedade pode ser adquirida através de suas roupas. Pelo fato de não saber o que é certo ou errado para cada ocasião, acabam fazendo escolhas erradas”, relata o estudante.

Dicas para o visual

O blogueiro fala que melhorar o visual é simples. Primeiro, é preciso conhecer o corpo e sempre buscar peças que sejam da numeração adequada para ter um caimento proporcional. O indicado também é ter sempre no guarda-roupa peças curingas , como um jeans, uma camisa básica de cor neutra, sapato social e um blazer. "Assim estará preparado para ocasiões especiais".

“Atualmente existem inúmeras variedades de itens voltados ao público masculino, como cinto, pulseiras, bolsas, sapatos e relógios, que proporcionam outro ‘tom’ para o seu visual. Não deixe de apostar no conforto, pois se vestir bem não está só nas peças de roupas, mas na relação que possuímos com elas”, diz Felipe.


Leia também: Veja os tipos de camisetas masculinas e escolha a que mais combina com você

Hoje, o rapaz diz se sentir bem com o próprio corpo e com o estilo próprio que criou. “Todas as manhãs, saio de casa satisfeito com a imagem que vejo refletida no espelho, pois me sinto bem mais seguro com relação a minha aparência física . Mas, acredito que sempre existirá uma pressão de padrões corporais para instigar a insegurança nos indivíduos”, finaliza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.