Tamanho do texto

Especialistas falam como é possível diferenciar uma versão boa de uma ruim e dão dicas para você aperfeiçoar a forma de degustar a popular branquinha

A cachaça é uma das bebidas mais populares do país e está entre as paixões nacionais. Essa bebida é muito associada aos botecos da vida, é um item essencial da típica caipirinha e também já serviu inspiração para muitas músicas – principalmente no sertanejo –, como o clássico conhecido na voz de Inezita Barroso que diz que é a “com a marvada pinga é que me eu me atrapaio”. E aí, se identifica com esse hino dos cachaceiros de plantão?

Leia também: Manual da cachaça: entenda mais sobre os tipos e diferenças da bebida brasileira

Veja detalhes da cachaça, essa bebida tão popular entre os brasileiros
shutterstock
Veja detalhes da cachaça, essa bebida tão popular entre os brasileiros


“Essa bebida faz parte da história do Brasil desde a época do descobrimento e seria um fato muito bizarro se ela não tivesse se tornado popular. Mas o termo popular não quer dizer que ela não apresenta qualidade, muito pelo contrário. Hoje em dia ela é um dos destilados mais versáteis do mundo e pode ser envelhecida em mais de 30 tipos de madeiras”, afirma o sommerlier de cachaça e CEO da Middas Cachaça, Leandro Dias.

Ainda existe muito preconceito e estereótipos envolvendo essa bebida alcoólica, mas o especialista garante que, assim como qualquer outra, você vai encontrar versões de péssima e ótima qualidade. O que acontece é que é bem mais fácil encontrar produtos de baixa qualidade no mercado e, por falta de informação, as pessoas acabam comprando versões “genéricas” desse líquido.

“A maioria da população não conhece a variedade e a qualidade das cachaças artesanais de alambique, mas isso vem mudando. Temos mais de quatro mil produtores de versões artesanais pelo Brasil”, comenta o sócio da loja on-line Cachaçaria Nacional, Rafael Araújo.

Pura ou envelhecida?

Se você não entende muito do assunto deve estar pensado como identificar se a bebida é boa ou ruim. A princípio, Rafael explica que ela pode ser pura, ou seja, ela é destilada do caldo de cana-de-açúcar e após esse processo vai direto para tanques de inox para ser envasada, ou pode ser envelhecida em barris de madeira, sendo os mais comuns de carvalho, amburana e bálsamo.

A bebida pode ser pura ou envelhecida
shutterstock
A bebida pode ser pura ou envelhecida


“A graduação mínima da bebida é de 38% de teor alcoólico. A mais forte tem a graduação de 48%. Acima disso já não é considerada cachaça e, sim, aguardente pela legislação brasileira. É o produtor que determina essa graduação a seu gosto”, acrescenta o sócio da Cachaçaria Nacional.

Todas essas informações são mais técnicas, elas até indicam se a bebida é mais forte ou mais fraca, mas essa definição acaba sendo subjetiva porque depende muito do gosto da pessoa que está ingerindo. “Um bom exemplo é uma versão de alambique com graduação alcoólica de 48% e acidez baixa, uns acham que é uma bebida fraca, já outros consideram forte. Tudo depende da experiência e da preferência do apreciador”, relata o sommerlier.

Melhor forma de beber

Ambos os especialistas acreditam que a bebida é bem eclética e deve ser consumida de acordo com o gosto de quem está consumindo. Segundo Rafael, geralmente as pessoas que estão nas regiões norte e nordeste do país costumam deixá-la gelada para beber devido ou clima quente, agora quem está no sul e sudeste prefere ingerir em temperatura ambiente.

Leia também: Engorda? Qual tem mais álcool? Lata ou garrafa? Curiosidades sobre a cerveja

via GIPHY


Porém, mesmo cada um tendo um gosto específico, é possível aperfeiçoar a degustação para extrair o melhor da bebida. “Se você quer sentir todos as aromas e sabores da cachaça, minha recomendação é que ela seja apreciada em temperatura ambiente utilizando uma taça padrão ISO”, indica Leandro.

“Dessa maneira você vai poder extrair o que ela tem de melhor para lhe oferecer sem a influência de alguma fruta ou da temperatura muito baixa que pode fazer com que suas papilas gustativas fiquem levemente ‘adormecidas’”, completa.

Harmonização

Assim como o vinho e outras bebidas, você pode harmonizar a cachaça com diversos pratos, por ser muito versátil. Pode ser encontrada em diversos sabores e aromas e também pode ser destilada ou fermentada. Combinar o líquido com a comida não é algo simples, por isso, Leandro separa algumas sugestões:

  • Se você está de dieta ou prefere uma comida mais leve, a indicação é combinar uma salada caesar com uma cachaça armazenada em tonel de amendoim do campo com graduação alcoólica de 40% GL;
  • Caso seja fã de frutos do mar, aposte em um risoto de camarão com alho poró acompanhado de uma cachaça envelhecida em barris de bálsamo com graduação alcoólica de 42% a 45% GL.
  • A preferencia é por carne? Então deguste um churrasco de picanha no sal com uma cachaça envelhecida em barris de carvalho com graduação alcoólica de 40% a 42% GL;
  • Agora, se você é daqueles que não resiste a um doce, prove um chocolate com uma cachaça envelhecida em tonel de amburana com graduação alcoólica de 38% a 44% GL.

Fora essas harmonizações, Rafael lembra que também é possível utilizar essa bebida na composição de pratos, tanto salgados quanto doces. São diversas as receitas que levam uma cachacinha no preparo. Também é muito utilizada para flambar carnes.

Temperadas

Você já deve ter ouvido falar das “cachaças temperadas” que muito encontradas em bares e botecos. Esse termo é usado quando a bebida sofre algum tipo de alteração, geralmente é misturada com ervas, sementes ou frutas e pode ou não ter adição de açúcar ou mel. “Isso nada mais é do que dar uma nova utilidade para a bebida agregando novos aromas, sabores e em até alguns casos propriedades medicinais”, fala o sommerlier.

Algumas pessoas também usam especiarias secas como canela e cravo, ou deixam a bebida curtir em frutas cítricas. “A mistura mais tradicional é justamente mel, limão e açúcar. Ainda temos outras misturas, algumas com plantas como Jambu, oriunda do Norte do país, que está fazendo bastante sucesso com o público jovem, pois além de gostosa, deixa a língua dormente”, ressalta Rafael.

Drinques

Além das misturas, essa bebida é muito utilizada como carro chefe para fazer inúmeros drinks. O mais popular e conhecido é a caipirinha, mas existem diversas outras opções que você vai adorar! Os especialistas ensinam dois drinques que vale a pena experimentar.

Leandro começa ensinando uma receita chamada Caipi Santa:

Ingredientes:

  • 1/2 limão siciliano cortado
  • Capim santo à vontade
  • 2 colheres de açúcar refinado
  • Gelo
  • 50ml de cachaça armazenada em amendoim do campo
  • Canela em pó

Modo de preparo: Junte o limão, o capim santo, o açúcar e macere para extrair o suco da fruta. Adicione gelo até encher o copo. Coloque a bebida e mexa. Decore com capim santo e finalize uma pitada de canela em pó. 

A caipirinha é o drink mais popular feito com cachaça
shutterstock
A caipirinha é o drink mais popular feito com cachaça


Já Rafael ensina um drink que tem como um dos ingredientes principais outra paixão nacional: o café. 

Ingredientes:

  • 50 ml de café expresso (frio)
  • 30 ml de licor de cacau
  • 50 ml de Cachaça envelhecida em Carvalho
  • Grãos de café para decorar

Modo de preparo: Bata tudo em uma coqueteleira com gelo, coe e sirva em uma taça estilo Dry Martini. Decore com grãos de café torrado e sirva.

Leia também: Copo de cerveja - veja o tipo certo para saborear ainda mais a bebida

Você também pode tentar criar novos drinques com frutas e especiarias que gosta. Ah, só não se esqueça de usar a cachaça como ingrediente principal.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.