Tamanho do texto

Com a alteração genética, as crianças estão mais propícias a desenvolver transtornos de saúde mental, como depressão e estresse pós-traumático

Filhos de pai estressado ​​correm maior risco de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e depressão indica estudo recente. Os pesquisadores descobriram que as pressões da vida podem alterar o DNA do esperma do homem e isso causará mudanças no desenvolvimento do cérebro do bebê quando ele for concebido.

Leia também: Homem faz post emocionante com 10 coisas que aprendeu com a morte do filho

Quando o pai é estressado, o DNS do esperma pode ser alterado e ele pode passar isso para o filho
shutterstock
Quando o pai é estressado, o DNS do esperma pode ser alterado e ele pode passar isso para o filho


Vale lembrar que já é amplamente comprovado que a rotina e o estilo de vida da mulher grávida pode afetar a gestação, incluindo a dieta e o estado emocional. Porém, essa nova pesquisa aponta que o comportamento do pai também pode influenciar e desencadear muitos transtornos de saúde mental a criança.

"Os pesquisadores sabem há anos que o estresse pode aumentar o risco de transtornos mentais. O que é interessante aqui é que estamos encontrando efeitos intergeracionais (entre duas ou mais gerações) [vindos do homem]", afirma Tracy Bale, professor de neurociência da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, em entrevista ao portal britânico “Daily Mail”.

Análise genética

Para chegar a essas conclusões, os especialistas fizeram experimentos em ratos para examinar como o estilo de vida dos homens pode afetar seus filhos. A princípio, a equipe encontrou indícios de que os ratos que tinham períodos crônicos de estresse passaram a codificação genética para o filho e isso chegou a se manifestar na nova geração como uma resposta hormonal.

Leia também: De urso e bailarino, homem faz ensaios fotográficos divertidos com filha; confira

O sistema nervoso libera três hormônios principais quando o corpo está sob estresse, são eles: adrenalina, cortisol e norepinefrina. Juntos, esses hormônios ativam no corpo o modo de "luta" ou "fuga" e isso é importante para o corpo conseguir lidar com os efeitos causados pela irritação.

Durante esse processo, houve mudanças no material genético do esperma conhecido como microRNA, que desempenha um papel fundamental, pois é quando os genes se tornam proteínas funcionais. O epidídimo do caput, a estrutura onde o esperma amadurece, liberta vesículas que contêm microRNA e, como podem se fundir, o esperma tem o DNA modificado.

Comportamento influencia

Isso sugere que, irritações no cotidiano ou no local de trabalho podem ter um impacto significativo no desenvolvimento da saúde das pessoas que carregam o mesmo material genético. Tudo acontece através de um processo conhecido como epigenética, no qual o DNA é alterado através de fatores de estilo de vida, como dieta, exercício ou mesmo pelo estresse.

Leia também: Licença-paternidade de 180 dias é liberada para um pai de gêmeos

Historicamente, a maioria das pesquisas sobre como o estilo de vida, comportamento e ambientes de convivência poderiam afetar os filhos eram concentrados na mãe, mas agora foi indicado que o pai também afeta neste processo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.