Tamanho do texto

Nate Peck tinha uma alimentação totalmente desregrada, mas resolveu mudar o estilo de vida e, além de fazer uma dieta, ele passou a se exercitar

Ao longo da vida, o americano Nate Peck teve de lidar com uma série de doenças por ter um problema no sistema imunológico. Fora isso, precisou lutar com a balança para perder peso, e isso se agravou quando chegou aos 18 anos pesando 154 kg. O jovem, agora com 25 anos, resolveu mudar o estilo de vida , passou a seguir um movimento chamado #noexcuses (sem desculpas) e, em um ano, perdeu 140 kg de gordura e conseguiu ganhar 45 kg de músculos. 

Em apenas um ano, Nate Peck conseguiu perder peso, após mudar a alimentação e ao começar a praticar atividade física
Reprodução/Instagram
Em apenas um ano, Nate Peck conseguiu perder peso, após mudar a alimentação e ao começar a praticar atividade física


Em entrevista ao “Men’s Health”, Peck conta que sempre foi uma criança de porte grande e maior que as outras, por isso, cresceu com a ideia de que precisava perder peso . Ele cresceu levando uma alimentação totalmente desregrada, cheia de carboidratos e fast food. Muitas vezes, ele abusava desse tipo de comida como uma forma de conforto, já que frequentemente ficava doente devido ao problema imunológico que possui.

"Eu tenho imunodeficiência primária. Meu corpo basicamente não produz glóbulos brancos", explica Peck. As pessoas que nascem com imunodeficiência primária perdem algumas das defesas imunológicas naturais do corpo, e isso faz com que elas se tornem mais suscetíveis a germes que podem causar infecções.

Para perder peso, jovem precisou mudar hábitos

Peck precisou mudar radicalmente seus hábitos para conseguir perder peso, todo esforço teve um aparente resultado
Reprodução/Instagram
Peck precisou mudar radicalmente seus hábitos para conseguir perder peso, todo esforço teve um aparente resultado


Devido a essa condição, o jovem precisava ir frequentemente ao médico, pois ficava doente com facilidade. Quando completou 18 anos, Peck chegou ao ápice do seu peso e, em uma consulta, confessou ao médico que comia tudo o que via pela frente sem pensar nas consequências. Ele bebia refrigerante, comia batata frita e três lanches com hambúrgueres todos os dias, fora os doces que também deixava de lado.

Leia também: Suplementos alimentares ajudam ou são prejudiciais? Especialista explica

Obviamente, o médico advertiu Peck sobre os problemas que a má alimentação poderia causar. O rapaz resolveu seguir as orientações que lhe foi passada pelo especialista e trabalhou duro para melhorar sua dieta e perder peso. Para ter inspiração, também passou a fazer pesquisas para tentar descobrir o que fisiculturistas como Arnold Schwarzenegger faziam para ficar em forma.

"Eu tinha murais na parede de Arnold, de velhos jogadores de futebol como Brock Lesnar e de heróis como Batman e Superman. Eu ficava tipo: 'eu vou ser como eles. Eu quero fazer isso’. E essa ideia meio que ficou na minha cabeça", lembra Peck.


Lentamente, a transformação começou, os pais do jovem compraram uma bicicleta ergométrica e imediatamente ele colocou em frente à televisão para fazer exercícios enquanto assistia jogos em canais de esportes. O americano também mudou a dieta para incluir mais proteína magra, como frango, e carboidratos mais saudáveis, como arroz integral e batata doce.

Um ano depois, Peck voltou ao médico e para sua surpresa ele tinha conseguido emagrecer muito . "Eu perdi 140 kg", conta o jovem que continuou seguindo uma vida saudável. Alguns anos depois, ele foi atingido por outro problema de saúde: foi diagnosticado com artrite reumatóide, um distúrbio inflamatório crônico que afeta as articulações de uma pessoa. “Eu acordava e sentia como se estivesse sido atropelado por um caminhão”, afirma.

Mas nem isso foi capaz que impedir o rapaz de continuar sua jornada. Depois de emagrecer , Peck começou a fazer musculação para aumentar a massa muscular, e isso fez com que ele se sentisse melhor por dentro e por fora, pois quando ele se exercita o sangue circula nas articulações e a dor da artrite desaparece.

Isso comprova a teoria de um estudo feito ano passado pela Universidade da Califórnia que indica que o exercício físico pode imitar os efeitos de um medicamento anti-inflamatório. Os pesquisadores descobriram que apenas 20 minutos de caminhada foram suficientes para estimular o sistema imunológico a produzir uma resposta anti-inflamatória no corpo.


Depois de ganhar massa muscular e emagrecer, Peck se diz feliz e saudável pesando 111 kg. Atualmente, ele faz levantamento de peso cinco ou seis vezes por semana, alternando os exercícios para trabalhar todos os grupos musculares.

O jovem também passou a fazer jejum intermitente, uma técnica que alterna longos períodos de jejum com períodos de alimentação, mas nem sempre essa ideia é recomendada por nutricionista. O ideal é sempre se consultar com um especialista antes de mudar a alimentação.

No Instagram, o jovem faz questão de postar diversas fotos com comparações de antes e depois do corpo dele, e nas legendas costuma escrever que sabe que muitas pessoas lidam com a questão da obesidade e com problemas de autoestima, por isso, acredita que a história de superação dele pode ajudar quem está nessa luta para conseguir perder peso, mas anda sem força de vontade.

Ele garante que toda a dor que sentia não desapareceu quando ele emagreceu, mas afirma que luta diariamente para deixar o antigo Peck orgulhoso daquilo que conquistou.

Peck sabe que ele levou a maior parte de sua vida engordando, e, agora que conseguiu perder peso , vai levar o resto da vida para mantê-lo. "Sempre haverá alguém mais esperto, mais rápido e melhor que você. Mas isso significa que você não pode trabalhar duro. Sei que posso me vencer, e estou bem com isso", finaliza.

    Leia tudo sobre: dieta
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.