Tamanho do texto

Desde muito pequeno, o americano Eliot Liles se interessa por roupas de látex. Agora, com 31 anos, ele já gastou mais de R$35 mil em trajes do tipo

As roupas de látex não são exatamente o que vem à mente quando se pensa num traje confortável. Porém, para Eliot Liles, um engenheiro de software de 31 anos do estado americano de Indiana é algo libertador. Desde muito jovem, ele se interessa por trajes desse tipo e já gastou cerca de R$35,5 mil montando seu guarda roupa.

Leia também: Comuns ou excêntricos? Veja os fetiches sexuais que mexem com o imaginário

As roupas de látex de Eliot Liles custaram mais de R$35 mil, mas permitem que ele expresse sua paixão pelo material
Reprodução/Instagram
As roupas de látex de Eliot Liles custaram mais de R$35 mil, mas permitem que ele expresse sua paixão pelo material

Em entrevista à agência de notícias britânica Media Drum World , Eliot afirma que se interessa por roupas de látex e outros itens feitos com este material desde que era pequeno. "Eu adorava fingir que era um médico. Era a carreira que queria seguir. Como parte da encenação, eu usava luvas deste material para examinar", lembra.

Eliot não sai na rua usando as roupas de látex mais excêntricas que possui e expõe no Instagram
Reprodução/Instagram
Eliot não sai na rua usando as roupas de látex mais excêntricas que possui e expõe no Instagram

Diferente do que muitos pensam, a atração de Eliot pelo material não é exatamente um fetiche sexual. "Eu tenho uma atração natural por coisas brilhosas, e o látex sintetiza isso para mim. Também gosto da sensação de tocar no material acetinado e das roupas apertadas que abraçam todo o corpo. É muito relaxante", afirma.

Além da parte sensorial, ele também disse que gosta da transformação proporcionada pelos trajes de látex . Como eles cobrem todo o seu corpo, ele sente como se pudesse se tornar outra pessoa. "É libertador", relata o rapaz em sua entrevista.

Mas usufruir abertamente desses trajes que causam tanto desejo nem sempre foi uma opção, principalmente durante sua infância e adolescência. Criado num lar religioso e tradicionalista, ele precisou esperar até sair da casa dos pais para investir no seu novo guarda roupa.

O ambiente familiar não era o único obstáculo para Eliot. Na escola, ele era alvo de bullying, devido à sua fascinação pelo material e por sua dedicação aos estudos. Porém, nos dias de hoje, essas preocupações não estão mais na vida dele.

Leia também: Dominatrix diz que muitos homens gostam de "tortura" no pênis; você toparia?

Livre para usar suas roupas de látex

O seu armário de roupas de látex não tem apenas de trajes mais exóticos, ele também tem peças como camisas e calças
Reprodução/Instagram
O seu armário de roupas de látex não tem apenas de trajes mais exóticos, ele também tem peças como camisas e calças

Agora que vive com a esposa, o engenheiro de software costuma postar fotos exibindo suas roupas de látex nas redes sociais. Nas fotos, ele posa com trajes completos, às vezes usando seios falsos e perucas.

No entanto, ele reforça que não usa os trajes mais exóticos que posta no Instagram em público. "Eu não uso roupas expressamente de fetiche na rua. Com isso esclarecido, as coisas que mais me atraem para este lado da moda são sensoriais", fala Eliot.

Mesmo assim, ele recebe alguns olhares de estranhamento quando desfila com seus trajes em público. Esse tipo de atitude o motiva a tentar inspirar outras pessoas a seguirem o que elas amam sem medo de julgamentos.

"Meu conselho é: faça o que você ama. Isso vai requerer muito trabalho, então comece aos poucos. Você não precisa de equipamentos ou roupas caras. Acho que o principal é fazer o que te traz alegria e faz você se sentir completo", indica.

Leia também: 8 posições sexuais para quem quer experimentar novos fetiches

Por fim, o engenheiro de software fã de roupas de látex deixa um conselho também para quem estranha comportamentos como o dele. "Acho que melhor do que julgar ou criticar é demonstrar curiosidade. Talvez você descubra algo novo e expanda um pouco seus horizontes um pouco", conclui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.