Tamanho do texto

Gabe Adams, de 19 anos, superou sua deficiência e virou um dançarino talentoso de break dance - e agora ruma para uma carreira como motivador

O dançarino de break dance Gabe Adams, de 19 anos, não é como os outros. Nascido no Brasil e criado por pais adotivos nos Estados Unidos junto a outros 13 irmãos, Gabe sofre de uma doença extremamente rara: a Síndrome de Tetra-Amelia, que fez com que ele não desenvolvesse nenhum de seus membros.

Leia também: Pai se junta a apresentação de balé para ajudar filha chorando e viraliza

O dançarino Gabe Adams, de 19 anos, descobriu seu grande talento quando fez o teste para a equipe de dança da escola
Reprodução/Twitter
O dançarino Gabe Adams, de 19 anos, descobriu seu grande talento quando fez o teste para a equipe de dança da escola

Desde pequeno, o agora  dançarino  tem de se locomover numa cadeira de rodas. Mesmo assim, seus pais insistiram em criá-lo para ser o mais independente possível.

"Eu odiava meus pais por terem me feito passar por todo aquele trabalho duro", conta ao jornal inglês Metro . "Mas agora eu olho para eles e agradeço que tenham insistido que eu me tornasse a pessoa independente que sabiam que eu podia ser", conclui.

Leia também: Pai e filho viram Elsa, de "Frozen", e vídeo deles é visto 75 milhões de vezes

Do bullying intenso a um lugar como dançarino

Gabe Adams, antes de se tornar dançarino, sofria com a zombaria dos colegas de sala por causa de sua deficiência
Reprodução/Twitter
Gabe Adams, antes de se tornar dançarino, sofria com a zombaria dos colegas de sala por causa de sua deficiência

E não foram apenas os desafios impostos pela sua deficiência que ele teve de enfrentar: Gabe precisou aturar a constante zombaria de outras crianças da escola ao longo de toda a vida. Landon, um dos 9 irmãos homens do rapaz (que também tem 4 irmãs), diz que "tinha vezes em que ele [Gabe] voltava para a casa com um ar angustiante, de tanto que havia sofrido naquele dia na escola".

Ao jornal inglês, o dançarino conta de um caso particularmente cruel na aula de artes. "O professor pediu que nós criticássemos o trabalho de nossos colegas. Então um colega de classe me disse: 'parece que Deus errou quando fez você'".

Depois de tanto sofrimento, numa tentativa de encontrar novos amigos, Gabe decidiu fazer o teste para entrar na  aula de dança do colégio - e foi assim que descobriu seu talento. No entanto, nem assim ele conseguiu escapar da crueldade de alguns colegas.

Um dia após o teste, ele ouviu duas garotas atrás dele dizendo que ele "só subiria ao palco porque é deficiente físico ". Segundo o Metro , foi aí que o jovem foi falar com a técnica da equipe de dança, implorando para que ela não colocasse-o no palco só porque tinham pena dele. Ela, porém, retrucou que ninguém se apresentaria porque ela tinha dó. "Você ganha um lugar nessa equipe se merece", reiterou na época.

Desde então, Gabe participou de um concurso de dança, no qual ficou em segundo lugar. Sua história deu-lhe um passaporte para o "Maury Show", um famoso programa americano que relata casos extraordinários ou intrigas familiares.

Leia também: Pai ajuda filha em apresentação de dança ao subir no palco (sim, é outro pai)

E, de acordo com o Metro , agora que já se formou do ensino médio, o jovem decidiu sair da casa dos pais para morar sozinho, e trabalha duro para se tornar um palestrante motivacional. "Uma coisa que ensinei para mim, e para os outros, é que a vida só é difícil se você torná-la assim", refletiu o dançarino , que agora busca o sucesso em outras áreas de sua vida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.