Tamanho do texto

Uma pesquisa norueguesa achou uma importante relação entre o tempo que os homens passam sentados e a ocorrência de câncer de próstata

Um estudo norueguês conduzido pelo médico Vegar Rangul e sua equipe, da Norwegian University of Science and Technology, concluiu que o sedentarismo pode aumentar o risco de câncer de próstata.

Leia também: Sexo anal influencia? Desvende os mitos e verdades sobre o câncer de próstata

Passar muito tempo sentado pode aumentar o risco de câncer de próstata, embora não afete outros tipos da doença
shutterstock
Passar muito tempo sentado pode aumentar o risco de câncer de próstata, embora não afete outros tipos da doença

Além do câncer de próstata , longos períodos sentado, aliados a pouca atividade física, podem levar a câncer colorretal e de pulmão nos homens. Dos mais de 38 mil participantes, 4196 homens (11%) foram diagnosticados com alguma variação da doença ao longo do período de 16 anos, entre 1997 e 2014.

O aumento do risco de câncer de próstata sob uma vida sedentária (8 ou mais horas sentado) foi 22% maior em comparação a condições normais (menos de oito horas na cadeira). Segundo Rangul e sua equipe, o único tipo de câncer que variou de acordo com o tempo que se passa sentado foi o prostático. Ou seja, essa enfermidade não está associada apenas à falta de atividade física (sedentarismo) como o câncer colorretal e o de pulmão.

Leia também: O que os homens têm a aprender com o Novembro Azul

Fatores de risco do câncer de próstata

A atividade física moderada é uma das melhores formas de combater o sedentarismo - e o câncer de próstata também
Shuttersock
A atividade física moderada é uma das melhores formas de combater o sedentarismo - e o câncer de próstata também

Os cientistas concluíram que essa amostragem reforça a importância da atividade física na prevenção contra o câncer, já que em quantidades moderadas ela é capaz de reduzir significativamente o risco desenvolver a doença, especialmente na próstata. 

Uma das possíveis explicações levantadas pelos pesquisadores noruegueses é de que a atividade física moderada estimula a produção de hormônios associados com a prevenção do câncer prostático.

Outro fator que pode ter alguma relação com isso é o indicador educacional do indivíduo. Segundo o estudo, 55,9% dos homens com altos níveis de educação passavam mais de oito horas por dia sentados (entrando no grupo de risco).

Leia também: Novembro Azul: atleta supera câncer e cria movimento para pessoas se exercitarem

Isso é relevante porque um estudo de Tom Ivar Lund-Nielsen, publicado em 2000, concluiu que a ocorrência de câncer de próstata é maior entre homens com indicadores educacionais elevados. Mesmo assim, para Rangul e sua equipe, essas descobertas podem ser apenas uma coincidência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.